27 C
Ipatinga
segunda-feira, 20 de maio de 2024
Principal Internacional “Persona non grata”. Israel bate com a porta a Lula da Silva

“Persona non grata”. Israel bate com a porta a Lula da Silva

Israel declarou como persona non grata o presidente do Brasil. O ministro israelita dos Negócios Estrangeiros afirmou, esta segunda-feira, que Lula da Silva não é bem-vindo a Israel até que retire as acusações que fez ao comparar a ofensiva em Gaza com o Holocausto

“Não esqueceremos nem perdoaremos. É um grave ataque antissemita”, argumentou Israel Katz, de acordo com um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, após uma reunião com a diplomacia brasileira.

“Em meu nome e em nome dos cidadãos de Israel – diga ao presidente Lula que ele é persona non grata em Israel até que peça desculpa e retire o que disse”, disse o ministro israelita, dirigindo-se ao embaixador do Brasil em Jerusalém, Frederico Meyer.
 
A reunião decorreu no Yad Vashem que, como referiu Katz, é “o lugar que testemunha mais do que qualquer outra coisa o que os nazis e Hitler fizeram aos judeus”.
https://twitter.com/Israel_katz/status/1759525833427886204
Logo após as declarações de Lula, no domingo, o ministro israelita dos Negócios Estrangeiros israelita convocou o embaixador do Brasil no país para uma reunião esta segunda-feira.

“Os comentários do presidente brasileiro são vergonhosos e graves”, escreveu Israel Katz na rede social X.

No domingo, durante uma intervenção na cimeira da União Africana, o presidente brasileiro comparou as operações militares israelitas ao extermínio de judeus promovido por Adolf Hitler, durante a Segunda Guerra Mundial, acusando Israel do genocídio dos palestinianos.

“O que está a acontecer na Faixa de Gaza não é uma guerra, é um genocídio. O que está a acontecer na Faixa de Gaza com o povo palestiniano (…) já aconteceu quando Hitler decidiu matar os judeus”, afirmou Lula da Silva, em Adis Abeba. ”Esta não é uma guerra de soldados contra soldados. É uma guerra entre um exército altamente preparado e mulheres e crianças”.

Benjamin Netanyahu reagiu horas após, considerando que “comparar Israel ao Holocausto nazi e a Hitler é cruzar uma linha vermelha”.

“Israel luta pela sua defesa e para garantir o seu futuro até à vitória, e fá-lo respeitando o direito internacional”, afirmou Benjamin Netanyahu, citado em comunicado.

O primeiro-ministro israelita descreveu mesmo as palavras de Lula da Silva como “vergonhosas e sérias” e argumentou que procuram “banalizar o Holocausto” e “o direito de Israel de se defender”.

Já o ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, criticou Lula da Silva, na rede social X, por apoiar “uma organização terrorista – o Hamas, e, ao fazê-lo, envergonhar o seu povo”.

As duas maiores entidades israelitas no Brasil juntaram-se também à condenação de Lula pelo Governo de Netanyahu, considerando “extrema e desequilibrada” a posição expressa pelo Presidente brasileiro.

“O Governo brasileiro está a adotar uma posição extrema e desequilibrada em relação ao trágico conflito no Médio Oriente, abandonando a tradição de equilíbrio e procura de diálogo na política externa”, afirmou a Confederação Israelita do Brasil, em comunicado.

A Federação Israelita do Estado de São Paulo, que reúne a maior parte da comunidade judaica no Brasil, também emitiu uma declaração, na qual afirma que “comparar a defesa legítima do Estado de Israel contra um grupo terrorista […] com a indústria da morte de Hitler é de uma maldade infinita”.

próximo artigoCresce o índice de atrasos de pagamentos nas escolas particulares de MG
Artigo seguinteUsiminas realiza mais uma rodada da pesquisa ambiental para ouvir comunidade de Ipatinga

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

error: Conteúdo Protegido!