Qual é o papel da escola em relação aos materiais que não têm mais utilidade? E o que ela faz com as latas de alimentos vazias e o plástico das garrafas pet e copos descartáveis usados? Jogar no lixo comum é o procedimento mais corriqueiro. Porém, está longe de ser o adequado. Implantar a coleta seletiva traz benefícios para o meio ambiente. E é o que propõe a atual administração de Ipatinga ao capacitar gestores de escolas públicas (municipais e estaduais) para a implantação dos coletores em estabelecimentos de ensino. A ação deve começar inicialmente pelos bairros Imbaúbas, Cariru e Horto.

A fim de discutir o assunto, a Secretaria de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma) realizou esta semana, por meio do Instituto de Gestão de Políticas Sociais (Gesois), uma capacitação com representantes de escolas para a nova proposta de coleta seletiva no município. A ideia é que a partir do próximo ano coletores de materiais recicláveis estejam nos educandários servindo, inclusive, de ponto de partida para a expansão do serviço em toda a cidade. Nos locais predeterminados serão desenvolvidas coletas porta a porta.

O treinamento foi ministrado por Josiana Gonçalves Souza, analista ambiental do Gesois. Durante a capacitação, ela explicou que é necessário adotar ações efetivas e não apenas simplesmente espalhar lixeiras coloridas pelos corredores das escolas. “As instituições já trabalham o tema em alguns momentos, e elas podem ser pontos de mobilização, sendo os alunos multiplicadores dentro de casa e na sua comunidade. Sugerimos que as escolas, juntamente com os alunos, façam a separação do lixo no ambiente escolar. Essa estratégia facilita a adesão da população”, acredita.

Engajamento

Samila Nardy, assessora Pedagógica da Secretaria de Educação de Ipatinga, participou da capacitação. Conforme disse, o departamento já desenvolve projetos para que as escolas municipais estejam preparadas para receberem os coletores e seja difundida de forma eficiente a coleta seletiva na comunidade.

“Enviamos um projeto para todas as escolas e estamos incentivando a participação dos alunos com ações simples, para que eles possam levar as ideias para casa e sejam multiplicadores. A base está na educação. Se as escolas começarem a trabalhar o tema de forma séria, a proposta vai parar na comunidade e a chance de dar certo no município todo é muito grande. As escolas estão engajadas, fazendo trabalhos contínuos em salas de aula. É preciso aliar a teoria à prática, mostrando os impactos negativos que serão gerados caso a gente não adote essas medidas”, disse Samila.

Nubia Fernandes, diretora do Departamento de Meio Ambiente (Demam), explica que o projeto-piloto nas escolas vem ao encontro do que espera o governo municipal sobre a adesão de toda a população. “O que esperamos com essa iniciativa nas escolas é que a coleta seletiva seja uma realidade em todo município de Ipatinga. A ideia é que a medida se expanda para todas as escolas municipais e também para outros bairros”, projeta.

Fonte: PMI

próximo artigoBiblioteca Municipal de Ipatinga oferece 250 obras em Braille para deficientes visuais
Artigo seguinteUsiminas lança novo site
0 0 votes
Classificação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários