Usiminas reverte prejuízo no 4º trimestre e fecha com lucro de R$ 975 milhões. Em 2023, o lucro da empresa caiu 22%, totalizando R$ 1,6 bilhão

A Usiminas registrou um lucro de R$ 975 milhões no quarto trimestre de 2023, revertendo o prejuízo de R$ 166 milhões no terceiro trimestre. A empresa teve um EBTIDA Ajustado negativo de R$ 20 milhões entre julho e setembro, enquanto atingiu um EBTIDA positivo de R$ 625 milhões entre outubro e dezembro do ano passado. “Melhoramos o nosso desempenho nos últimos meses por conta do forte foco em redução de custo. Apesar do impacto positivo, ainda temos muito para avançar na nossa competitividade”, explicou o presidente da Usiminas, Marcelo Chara. No total do EBTIDA de R$ 625 milhões, a empresa reportou que R$ 301 milhões se referem a efeitos contábeis não recorrentes, que não impactaram o caixa da companhia.

Em 2023, a empresa teve lucro de R$ 1,6 bilhão, uma queda de 22% em relação ao resultado de R$ 2 bilhões em 2022. No ano passado, a empresa vendeu 4 milhões de toneladas de aço e faturou R$ 27,6 bilhões, queda de 4% e 15%, respectivamente. Já o EBTIDA, que avalia o desempenho operacional, somou R$ 1,7 bilhão, contra R$ 4,9 bilhões em 2022. “Olhando o ano como um todo, tivemos um ano desafiador por conta da Reforma do Alto-forno 3 e pela invasão do aço chinês. Estamos trabalhando para avançar na nossa produtividade, mas vemos com preocupação a competição desleal com venda abaixo do valor de custo” afirmou Marcelo Chara.

Em 2023, a Usiminas realizou o maior investimento desde 2010, chegando a R$ 3 bilhões. A empresa concluiu em novembro a Reforma do Alto Forno 3, que tem capacidade para produzir 3 milhões de toneladas de ferro gusa. O aporte total no projeto foi R$ 2,7 bilhões e foram gerados 9 mil empregos durante a fase da obra. “A entrada em operação do Alto-forno aumenta a competitividade da Usiminas, melhorando a eficiência de consumo de combustíveis e de custos. Continuamos focados na transformação da Usiminas e na excelência industrial”, comentou Marcelo Chara.

Por conta da concorrência desleal com a importação, a Usiminas desligou o Alto-forno 1, reduzindo em 600 mil toneladas por ano a sua capacidade produtiva. Com os altos-fornos 2 e 3, a empresa totaliza 3,6 milhões de toneladas de ferro gusa. “A situação atual do mercado brasileiro nos impede de produzir na capacidade total. A importação representa hoje 20% do total de aço consumido no país”, comentou o presidente da Usiminas.

Para o ano de 2024, a empresa projeta investimentos entre R$ 1,7 bilhão e R$ 1,9 bilhão.

Mineração

A Mineração Usiminas aumentou em 4,8% o volume de venda de minério de ferro e atingiu o recorde de 9,1 milhões de toneladas vendidas em 2023. A receita da unidade atingiu R$ 3,5 bilhões, uma queda de 2,4% em comparação à 2022. Já o EBTIDA somou R$ 1 bilhão, contra R$ 1,4 bilhão do mesmo período do ano anterior. “O resultado da Mineração foi impactado por fatores como valorização do Real frente ao Dólar e do preço do minério. Mas conseguimos compensar com um maior volume de venda, principalmente com a exportação”, comentou Marcelo Chara.

próximo artigoPrefeitura Fabriciano inicia entrega dos kits escolares para cerca de 11 mil alunos da rede municipal Educação
Artigo seguinteCenibra viabiliza qualificação profissional para estudantes da rede pública no município de Nova Era