Em visita nesta quarta-feira (24) às instalações da Usiminas em Ipatinga, no Vale do Aço, o governador Romeu Zema lamentou o avanço dos casos de dengue em Minas Gerais e confirmou que vai decretar estado de emergência nos próximos dias.

Até o momento, o Estado tem uma morte pela doença e aumento de 754% no número de casos em 2024.

“Lamento que o Vale do Aço esteja tendo uma incidência (de casos de dengue) que é a maior do Estado, inclusive com óbito. Nós vamos decretar o estado de emergência nesta semana ainda e isto vai possibilitar que o Estado e as prefeituras tomem medidas mais ágeis na aquisição de insumos que são necessários e na contratação de pessoal”, explica o governador.

Para reforçar as ações contra o mosquito Aedes aegypti, o Estado anunciou um investimento de mais de R$ 32,2 milhões. O valor será somado ao aporte de R$ 80,5 milhões previsto para o período sazonal.

Ainda segundo Romeu Zema, o governo de Minas também enviou equipes para diversos locais do interior para reforçar o plano de combate á doença em todo o território mineiro.

Ele lembrou que as pessoas picadas pelo mosquito Aedes aegypti devem ter o tratamento baseado em cuidados para evitar a desidratação. “Se a doença for tratada corretamente, a taxa de óbito cai drasticamente”.

Zema disse ainda que o Estado disponibilizou drones para procurar pontos com água parada e jogar inseticida nesses locais. E ele fez um apelo para a população evitar os focos dos mosquitos dentro de casa.

Outra ação para combate ao mosquito que transmite a dengue, a zika e a chikungunya será a inauguração, em maio, da primeira Biofábrica Wolbachia em Belo Horizonte, que vai atender dezenas de municípios.

Essa biofábrica produzirá mosquitos portadores da bactéria Wolbachia, que serão soltos no ambiente para se reproduzirem com os Aedes aegypti locais e estabelecer uma população com Wolbachia. Esses insetos não transmitem doenças e ajudam no controle das arboviroses.

próximo artigoPrograma Voa Brasil começa a valer no dia 5 de fevereiro, anuncia ministro
Artigo seguintePF investiga monitoramento indevido de autoridades pela Abin