Ainda se trata de início de temporada, mas Atlético e Cruzeiro já medirão forças neste sábado (3), às 19h30, na Arena MRV, no primeiro clássico de 2024. A partida, válida pela terceira rodada do Campeonato Mineiro, colocará frente a frente equipes que vivem momentos completamente diferentes.

Mandante da partida, o Atlético chega praticamente com o mesmo elenco do ano passado e já bem adaptado ao estilo de jogo adotado pelo técnico Luiz Felipe Scolari, o Felipão.

Por enquanto, a única novidade do Galo é mesmo o meia Gustavo Scarpa, que chega com status de uma das maiores contratações do futebol brasileiro na temporada.

Por conta dos dois primeiros jogos do time na temporada – derrota para o Patrocinense e vitória sobre o Democrata-GV – o Atlético ainda apresenta os mesmos problemas na criação de jogadas e dificuldades com a bola aérea defensiva.

Mas devido à derrota no primeiro clássico disputado na Arena MRV, no returno do Brasileiro do ano passado, o Galo encara esta partida com a pressão do favoritismo e a preocupação de frustração por qualquer outro resultado que não seja a vitória. Ainda mais diante da torcida atleticana, que será única nas cadeiras do estádio alvinegro.

Caso entre como titular, Scarpa chega para resolver o problema da criatividade do meio-campo alvinegro. Ele estreou pelo Galo na última rodada, ao entrar no decorrer da segunda etapa, na goleada por 4 a 0 sobre o Democrata-GV. Teve boa participação, apesar da fragilidade do adversário.

Cruzeiro

Do outro lado do duelo, o Cruzeiro passa – mais uma vez – por processo de reformulação. A começar pelo comando técnico, já que o argentino Nicolás Larcamón inicia sua caminhada no clube, em sua primeira oportunidade no futebol brasileiro.

Além disso, o elenco da Raposa também passou por modificações. Entre os reforços contratados para esta temporada estão caras novas como o goleiro Léo Aragão e os atacantes Dinenno e Gabriel Veron (se contundiu e nem sequer estreou) e ‘velhos conhecidos’, como o zagueiro Zé Ivaldo, o volante Lucas Romero e o atacante Rafa Silva, que estão de volta à Toca da Raposa, após passagens anteriores de sucesso pela equipe.

De toda forma, a base da equipe para o clássico deve ser bem parecida com a que terminou o Brasileirão do ano passado, já que, do time titular de 2003, praticamente apenas o zagueiro Luciano Castán e o atacante Bruno Rodrigues deixaram o clube.

Nas duas primeiras rodadas do Mineiro, Larcamón deu chances a 19 jogadores do grupo e até testou algumas situações, como o lateral Helibelton Palácios fazendo o papel de ‘zagueiro’ na saída de três do setor defensivo celeste.

Nesta ‘fase de testes’, o time ainda não conseguiu editar uma grande atuação: venceu o Villa Nova, em Nova Lima, na estreia, por 2 a 1, e ficou no empate em 1 a 1 com o Athletic, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

A grande novidade da Raposa para o clássico deve ser mesmo a reestreia de Lucas Romero. O volante, que não participou dos dois primeiros jogos do ano, pois fazia trabalho a parte de reequilíbrio muscular, deve ser titular.

Ele conta com a confiança de Larcamón, com quem também trabalhou no León, do México, no ano passado. Outra expectativa fica por conta de Dinenno, novo dono da camisa 9 celeste. O argentino já deixou sua marca na estreia e sabe que balançar as redes em um clássico tem peso ainda maior.

próximo artigoAmérica: regularizado no BID, reforço pode estrear contra o Itabirito
Artigo seguinteLibertadores: Conmebol libera estádio boliviano a 4 mil metros de altitude