Fabriciano inicia Campanha Multivacinação na segunda (6/8)

O "Dia D" está agendado para sábado, 18 de agosto.

A Prefeitura de Coronel Fabriciano, por meio da Secretaria de Governança da Saúde, realizará entre os dias 6 a 31 de agosto, a Campanha Nacional contra Sarampo e Poliomielite, desenvolvida pelo Ministério da Saúde em todo Brasil.

A previsão é de que 5400 crianças, com idades a partir de um ano até cinco anos, sejam imunizadas no município. O “Dia D” está agendado para sábado, 18 de agosto. Neste período, a vacinação será exclusiva para crianças com essa faixa etária, uma vez que são mais susceptíveis a doença.

Com a campanha, os pais e responsáveis garantem a atualização do cartão de vacina dos filhos e a imunidade contra o Sarampo e a Poliomielite. A Coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Tatiana Cunha, disse que a vacina é a única forma de prevenção. “A vacinação é importante pra evitar que essas doenças, como o sarampo, retornem a nossa cidade e comprometa a saúde”, afirma.

O Secretário de Governança da Saúde, Ricardo Cacau, conta com a participação dos pais e responsáveis para atingir a meta. “A gente pede que os responsáveis pelas crianças com essa faixa etária as levem com o cartão de vacina até a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência, para garantir a imunização para a vida inteira”, concluiu.

As salas de vacinação funcionarão de 07h30 as 12h30 em todas as Unidades Básicas de Saúde, exceto na do bairro São Domingos, com horários de 13h30 às 16h30. Nas UBS’s do bairro Santa Cruz e do Centro, as vacinas serão disponibilizas de 07h30 as 16h30.

Mobilização Sarampo Mata

Desde o dia 9 de julho, Fabriciano realiza a mobilização “Sarampo Mata” com objetivo de vacinar em caráter de urgência todas as crianças de 0 a 2 anos que estão com o cartão desatualizado e a população que ainda não tomou a vacina ou que compareceu apenas a uma das etapas das campanhas em anos anteriores, tomando apenas uma dose. O Ministério da Saúde determina que a imunização seja feita em duas etapas, aos 12 e aos 14 meses de vida. Uma vez imunizado com duas doses, a pessoa está protegida para a vida inteira.

Foi determinado que as crianças que não estiverem com o cartão de vacina atualizado não poderão retornas as aulas após as férias. Após a campanha, pessoas com até 50 anos podem se vacinar, mas a orientação é de que procurem a UBS mais próxima para verificar a situação vacinal e ver se é necessário se imunizar.

Sarampo

Segundo o Ministério da Saúde, o sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida por meio da vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade da doença, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. Em algumas partes do mundo, a doença é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de 5 anos de idade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 800 casos de sarampo foram registrados no país este ano, incluindo duas mortes. Os casos são registrados principalmente nos estados do Amazonas e Roraima, que fazem divisa com a Venezuela. Esse pode ser um dos principais fatores que fez com que o vírus chegasse ao Brasil novamente, uma vez que o país recebe grandes números de venezuelanos refugiados da crise enfrentada pela Venezuela.

Sintomas

  • Febre alta, acima de 38,5°C;
  • Dor de cabeça;
  • Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo;
  • Tosse;
  • Coriza;
  • Conjuntivite;
  • Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de koplik, que antecede de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas.

 Transmissão

A transmissão do sarampo ocorre de forma direta, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Por isso, o elevado poder de contágio da doença. A transmissão ocorre de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema. O período de maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e dois dias após o início do exantema. O vírus vacinal não é transmissível.

A incidência, a evolução clínica e a letalidade são influenciadas pelas condições socioeconômicas, nutricionais, imunitárias e àquelas que favorecem a aglomeração em lugares públicos e em pequenas residências.

Tratamento

Não existe tratamento específico para o sarampo. É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O tratamento profilático com antibiótico é contraindicado.

Para os casos sem complicação, manter a hidratação, o suporte nutricional e diminuir a hipertermia. Muitas crianças necessitam de quatro a oito semanas para recuperar o estado nutricional que apresentavam antes do sarampo. Complicações como diarreia, pneumonia e otite média devem ser tratadas de acordo com normas e procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

Fonte: PMCF