“Minha agenda é reservada para atendimento voluntário de segunda a sexta-feira para avaliação e encaminhamento para especialista com levantamento de hipótese diagnóstica para que as famílias, a criança, sociedade e escola possam acolher essa criança com mais dignidade, com mais qualidade.”

Esta é a rotina da professora, Lilian Ribeiro, que desistiu das salas de aula para realizar um trabalho voluntário a crianças com deficiências comportamentais e distúrbios diversos. A professora, se sente realizada em ter a chance de acolher as crianças e também às famílias, que não possuem condições financeiras para contratar um profissional ou médico especialista particular.
Conheça a história da professora Lilian Ribeiro, um exemplo de amor ao próximo e solidariedade.

Foi em sala de aula que a professora Lilian se deparou com um grande número de alunos com diversos problemas de aprendizagem. Ela chegou a pensar em desistir da profissão, mas preferiu aceitar o desafio e foi muito além do que poderia imaginar.
Graduada em Letras e Pedagogia, a professora buscou estudar e se especializar a fim de lidar com crianças com diversos distúrbios e transtornos, e daí surgiu um trabalho voluntário que ganhou grandes proporções.
Há cinco anos, a professora Lilian Ribeiro atende crianças diagnosticas com autismo, TDH, dislexia e alunos portadores de deficiência intelectual e aprendizagem. Mas, o que chama a atenção é que esse é um trabalho voluntário, que ela mantém com recursos próprios, num espaço que reservado na casa onde ela mora, no bairro Esperança, em Ipatinga, todo preparado com muito cuidado.

próximo artigoPF combate grupo criminoso com atuação em presídio no Amapá
Artigo seguinteOutubro rosa: saiba mais sobre o câncer de mama em cães e gatos