O arroz é o principal representante do grupo dos cereais e se faz presente na casa de muitos brasileiros. Seu principal consumo é na mistura com o feijão. Além do preparo salgado, que acompanha preparações como legumes, carnes e ovos, ele também é ingrediente para o preparo de doces, como o arroz-doce ou arroz de leite.

O milho também é presente na alimentação dos brasileiros. Consumido na forma do próprio grão ou em forma de farinha, é um cereal muito benéfico para a saúde.

O trigo é consumido no Brasil principalmente por meio da farinha de trigo, entretanto, o grão do trigo pode ser utilizado em saladas, preparações quentes ou em sopas. A salada de trigo partido é comumente preparada com azeite, tomate, cebola, hortelã e salsa.

Arroz, milho, trigo e os demais cereais são fontes importantes de carboidratos, fibras, vitaminas e minerais. Combinados ao feijão ou outra leguminosa, os cereais constituem também fonte de proteína de excelente qualidade.

O carboidrato não deve ser eliminado da dieta, nem para emagrecimento ou outra condição, segundo Mariana Melendez, nutricionista do ambulatório de cirurgia bariátrica do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), em Brasília/DF. “Arroz e cereais também são fontes de proteína, mas principalmente de carboidratos, por isso chamamos de alimentos energéticos, que conferem energia rápida ao nosso organismo”, explica.

Cereais polidos excessivamente, como o arroz branco e os grãos de trigo usados na confecção da maioria das farinhas de trigo, apresentam menor quantidade de fibras e micronutrientes. Por esta razão, versões menos processadas desses alimentos devem ser preferidas, como o arroz integral e a farinha de trigo integral.

O arroz parboilizado (descascado e polido após permanecer imerso em água) é também boa alternativa por seu conteúdo nutricional estar mais próximo do arroz integral e por ter propriedades sensoriais (aroma, sabor, textura) mais próximas do arroz branco.

Segundo o “Guia Alimentar para a População Brasileira”, alimentos devem ser adquiridos em mercados, feiras, sacolões, açougues e peixarias que se apresentem limpos e organizados e que ofereçam opções de boa qualidade e em bom estado de conservação. Além disso, alimentos não perecíveis (arroz, milho, feijão, farinhas em geral, óleos, açúcar, sal, leite em pó e alguns tipos de frutas, verduras e legumes) devem ser armazenados em local seco e arejado, em temperatura ambiente e longe de raios solares.

Alimentação saudável

Durante o mês de outubro, em razão do Dia Mundial da Alimentação, o Ministério da Saúde disponibiliza uma série de vídeos sobre hábitos alimentares em cada etapa da vida, por meio do canal no Youtube

Receitas

Para conhecer receitas e formas de preparo dos alimentos in natura ou minimamente processados que valorizam a cultura alimentar brasileira, acesse a publicação “Na cozinha com as frutas, legumes e verduras”.

Segundo o Ministério da Saúde, a valorização e o incentivo do consumo de frutas, legumes e verduras representam uma importante estratégia de promoção da saúde e de alimentação adequada e saudável, contribuindo para a melhoria do padrão alimentar e nutricional e para a redução de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT).

Fran Martins
Ministério da Saúde

próximo artigoLula pede apoio de influenciadores digitais para desmentir fake news
Artigo seguinteSífilis: entenda o que é, qual a prevenção e o tratamento disponível no SUS
0 0 votes
Classificação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários