Os trabalhadores da rede municipal de educação de Ipatinga decidiram por realizar a “Greve em Defesa da Vida”, a partir do dia 22 de fevereiro, data marcada para o início das aulas semipresenciais. A decisão foi tomada durante plenária na noite dessa quarta-feira. Mas, segundo o Sind-UTE, a categoria se dispõe a manter o trabalho remoto, enquanto não houver condições para o retorno presencial sem vacinação e sem segurança sanitária nas escolas. Confira os detalhes na entrevista com a diretora do Sind-UTE, Isaura Azevedo.

próximo artigoPrefeitos do Vale do Aço defendem transporte integrado com bilhete único para região
Artigo seguinteTimóteo vacina idosa de 109 anos contra Covid-19