Suspeito de esquartejar a mãe, homem preso em BH teria ido ao psiquiatra um dia depois do crime

imagem ilustrativa

Um homem de 30 anos preso neste sábado (25) em Belo Horizonte, sob acusação de ter esquartejado a mãe, de 52, passou duas horas com um psiquiatra na última sexta-feira (24), após ter cometido o crime. A informação é da delegada de Homicídios e Proteção à Pessoa de Santa Luzia, na Grande BH, Adriana Rosa – titular do inquérito.

Recolhido ao Ceresp da Gameleira, na capital, o suspeito teria matado e esquartejado a própria mãe na última quinta-feira (23) e colocado as partes do corpo dela em uma mala, encontrada no bairro Canaã, divisa entre BH e Santa Luzia. A cabeça da mulher não estava na mala e continua desaparecida, conforme a delegada.

Carreto

A polícia apurou que o suspeito pagou R$ 50 a um homem que faz carretos para que transportasse a mala com o corpo da mãe até o local onde foi deixada e, posteriormente, encontrada. Câmeras de segurança ajudaram a polícia a identificar quem fez o carreto e, assim, chegar até o suspeito, preso dentro de uma igreja.

A delegada responsável pelo caso revelou que a vítima foi identificada no IML pelas impressões digitais. A mulher e o filho teriam atritos constantes, de acordo com o que a Polícia Civil apurou com familiares. Ao ser ouvido, o filho apresentou muita perturbação, segundo informou a delegada.

De acordo com a família, o homem sofreria de transtornos psiquiátricos e seria usuário de drogas. “Encontramos uma pequena quantidade de drogas com ele, que seria para consumo próprio”, acrescentou a delegada Adriana Rosa.

Ficha criminal

O homem tem passagens pela polícia por uso de documento falso e estupro de vulnerável, crime pelo qual ficou preso por cerca de dois meses e meio, em 2012.

Na última sexta-feira, ele foi, acompanhado por uma irmã, ao psiquiatra com quem fazia tratamento, depois de já ter cometido o crime. Ele não teria feito feito nenhum comentário a respeito com o profissional nem com a família.

Segundo a delegada, ele deve responder por homicídio qualificado, cuja pena prevê reclusão de seis a 20 anos.