Rampas de acesso a cadeirantes implantadas no Parque Ipanema

Construção de rampas obedece a legislação federal, que determina que 2% das vagas ofertadas em estacionamentos sejam destinadas a portadores de deficiência física

Após oito anos de existência da Lei de Acessibilidade em Ipatinga, duas rampas de acesso a cadeirantes foram construídas no complexo do Parque Ipanema. Elas podem ser encontradas na avenida Burle Marx: uma delas nas proximidades do estádio Ipatingão (onde existe uma vaga exclusiva para deficientes físicos) e outra na altura do kartódromo Emerson Fitipaldi. A administração municipal de Ipatinga adianta que outras duas vagas destinadas a deficientes físicos serão regulamentadas na área no Parque.

Os serviços foram executados pela Secretaria Municipal de Obras Públicas (Semop). A sinalização viária (vertical e horizontal) está a carga da Secretaria de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma).

As rampas são uma exigência de lei sancionada em janeiro de 2010, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência física ou com mobilidade reduzida.

Intervenções são realizadas nas proximidades do estádio Ipatingão e do kartódromo

 Acessos

O único local de acesso a cadeirantes que existia antes era pela entrada principal do Parque, próximo ao galpão. As rampas no complexo de lazer foram implantadas na semana passada.  Para a construção dos acessos, foram abertos espaços de dois metros de largura nos meios-fios – a exigência mínima é de 1,20m para área de circulação. O acesso do cadeirante é facilitado ainda por uma pavimentação que liga as rampas ao interior do Parque.

“Ao todo, agora são três pontos de acessibilidade que irão atender a demanda no Parque Ipanema. Estamos obedecendo ao que preconiza a legislação federal, que determina a disponibilização de 2% das vagas ofertadas em estacionamentos ao portador de deficiência física”, explica Tayrone Lagares de Andrade, diretor do Departamento de Transporte e Trânsito da Sesuma.

FONTE: SECOM/PMI