Moradores de Revés de Belém, distrito do município de Bom Jesus do Galho, no Vale do Aço, terão mais um final de semana diferenciado. As atividades terão início nesta sexta-feira (29). Na ocasião, um grupo de pessoas vai se reunir em uma roda de conversa para definir as melhorias que serão realizadas em uma praça construída por moradores, no fim do ano passado.

“Neste sábado (30), a comunidade vai se mobilizar para colocar a mão na massa em um novo mutirão. A proposta é promover melhorias na praça que foi construída ao lado da Escola Estadual João Paulo II, durante o segundo módulo da Vivência Oasis, em dezembro de 2018. Por isso, nesta sexta, vamos colocar em discussão, com a participação de todos, quais melhorias serão realizadas no dia seguinte”, explica Mariana Azevedo, gerente do Território Calha do Rio Doce.

Nesta sexta-feira, os encaminhamentos dessa nova etapa serão discutidos em grupo, assim como os caminhos percorridos desde o início da experiência com o Instituto Elos, fruto de convênio com a Fundação Renova. O mutirão contará com a participação de moradores e colaboradores voluntários da Fundação Renova.

“No domingo (31), os moradores de Revés do Belém participarão deum momento de celebração de tudo que já aconteceu. Atéa programação para esse diaserá discutida na roda de conversa desta sexta-feira.Tudo isso é aberto ao público e é fruto da nossa parceria com o Instituto Elos, que também está na região para apoiar os jovens no desenvolvimento das iniciativasselecionadas pelo projeto O Futuro do Rio Doce somos Nós”, explica Mariana Azevedo.

Em dezembro de 2018, foi construída uma nova praça em Revés do Belém com área de lazer para crianças, adultos e idosos; brinquedos, equipamentos de ginástica e pista para caminhada. Um espaço foi delimitado para a prática esportiva, onde, futuramente, poderá ser uma quadra para os alunos da escola e comunidade. Além disso, a quadra poliesportiva, que fica próximoao terreno onde aconteceu a ação,recebeu por uma reforma no mutirão.

Fundação Renova e Instituto Elos

O convênio entre o Instituto Elos e a Fundação Renova contém projetos relacionados à formação de jovens e ao fortalecimento de comunidades, na construção de legados socioambientais e econômicos a partir do desenvolvimento e execução de projetos coletivos.

Segundo Mirna Folco, analista do Núcleo Integrado de Engajamento da Fundação Renova, a metodologia propõe ativar os recursos da comunidade e articular parcerias, como organizações e governos locais.

“Os moradores de cada localidade, como Revés do Belém, vivenciam na prática o resgate das histórias da comunidade, o mapeamento de recursos e talentos e, principalmente, os sonhos coletivos. A ideia do mutirão é a realização de um dos sonhos, seguido de uma celebração e do planejamento dos próximos passos para a realização de novos sonhos. O objetivo é o fortalecimento da comunidade como um todo”.

Sobre a Fundação Renova

A Fundação é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar, com autonomia técnica, administrativa e financeira, os programas e ações de reparação e compensação socioeconômica e socioambiental para recuperar, remediar e reparar os impactos gerados a partir do rompimento da Barragem de Fundão, com transparência, legitimidade e senso de urgência.

A Fundação foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente), em março de 2016. 

Fonte: Assessoria de imprensa – Fundação Renova

próximo artigoUsiminas recebe 2º Encontro Latino Americano de Laminação a Frio e Decapagem
Artigo seguinteSecretaria de Assistência Social faz alerta a beneficiários do Bolsa Família