Mapa da diversidade

Um levantamento de manifestações e grupos locais voltados para lazer e saúde, gastronomia, bens culturais, artesanato e muito mais, está no projeto piloto do Mapa da Diversidade Cultural de Ipatinga, lançado no dia 11 de julho, no Centro Cultural Usiminas. O trabalho apresenta, dentro do mapa da cidade e entorno, 150 pontos relacionados a esses segmentos voltados para a economia criativa. 

A iniciativa é resultado da oficina “Mapeamento da Diversidade Cultural”, com a participação de doze pessoas do Vale do Aço. A oficina é uma das ações do projeto de formação cultural, realizado pelo Observatório da Diversidade, em parceria com o Instituto Usiminas e patrocínio da Usiminas, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.

O mapa e as informações de cada local mapeado estão disponíveis para o público no site mapadadiversidade.com.br/ipatinga. Na cidade de Itaúna, a mesma atividade foi realizada, contando com a participação de dez pessoas que, no processo de pesquisa, levantaram 75 pontos ou pessoas ligadas a economia criativa. O projeto piloto de Itaúna está disponível no endereço: mapadadiversidade.com.br/itauna.

Para a diretora do Instituto Usiminas, Penélope Portugal, a realização deste trabalho é de extrema importância para as comunidades do Vale do Aço e Itaúna. “Os pilotos do mapa da diversidade construídos de maneira coletiva formam um rico banco de dados que valoriza a economia criativa de cada localidade e, ao mesmo tempo, presta um serviço à comunidade de reunir essas informações em uma só plataforma. O Instituto Usiminas se orgulha em apoiar este projeto”, salienta a diretora.

Pesquisa

Durante as oficinas os participantes foram treinados para se apropriarem de instrumentos para coleta de informações para compor o mapeamento. A pesquisa foi feita por meio de questionário que coletou informações de artistas, grupos culturais, equipamentos culturais, profissionais da área de gastronomia, lazer, saúde, entre outros.

Segundo o coordenador do Observatório da Diversidade, José Márcio Barros, a proposta foi passar aos participantes um conceito mais ampliado de cultura. “Eles buscaram segmentos que vão além das artes e dialoga com o que chamamos hoje de economia criativa, utilizando a técnica ‘bola de neve’, em que cada pessoa entrevistada nos ajudava a identificar outros possíveis mapeados. Isso gerou um conjunto de informações significativas que orientou o trabalho de campo de cada um”, informou José Márcio.

próximo artigoSenador dos EUA pede investigação do FBI sobre app FaceApp
Artigo seguinteEm culto, Bolsonaro repete que no seu governo, ‘família terá atenção e respeito’