Leitos do Hospital Dr. José Maria Morais estão aptos a receber pacientes de Covid-19, atesta Estado

A Prefeitura de Coronel Fabriciano, por meio da Secretaria de Governança da Saúde, informa que os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e clínicos do Hospital Dr. José Maria Morais estão em pleno funcionamento com objetivo de salvar vidas de pacientes acometidos por Covid-19. O mesmo ocorre com o serviço de hemodiálise da instituição, com equipe de nefrologia e multidisciplinar completas.

Nesta segunda-feira, 10, técnicos da Vigilância Sanitária da Superintendência Regional de Saúde (SRS-MG) fizeram vistoria in locco e constataram que a HJMM não só cumpriu as adequações exigidas pelo órgão estadual como adquiriutrês novas máquinas de hemodiálise e outras três de osmose reversa, num investimento total de R$ 260 mil em recursos próprios do município. Os equipamentos chegaram neste final de semana, foram habilitados pela SRS-MG e já estão à disposição da população.

O Hospital também dispõe de todos os EPI´s necessários ao atendimento da ala COVID-19, com antibióticos, ventiladores e monitores com capnografia e pressão intra-arterial em todos os leitos de UTI. Além dos leitos de UTI, o HJMM também conta os leitos de internação (enfermaria) exclusivos para tratar Covid-19. As capacidades técnicas, sanitárias e de infraestrutura do hospital também foram observadas durante a inspeção, que também analisou documentos e contratos de prestação de serviços.

“O Hospital Dr. José Maria Morais possui uma equipe capacitada para atendimento a todos os pacientes que dele necessitar. A ‘Ala Covid’ sempre esteve aberta, independente de credenciamento de leitos, com objetivo único de salvar vidas.” resume a secretária de Saúde, Kátia Barbalho.

MENOR TAXA DE LETALIDADE

O Hospital gerido pela Prefeitura de Fabriciano já recebeu mais 130 internações desde o início da pandemia, sendo que mais de 80 receberam alta hospitalar após se recuperaram da doença. A taxa de letalidade por Covid-19 no município é de 1,52%, a menor do Vale Aço e a terceira menor do Estado dentre os municípios com mais de 100 mil habitantes. Nesta segunda-feira, 10, conforme dados do Boletim Epidemiológico, o Hospital Dr. José Maria Morais conta com 18 pacientes em internação: 16 residentes de Fabriciano e dois, de outras cidades.

ENTENDA

No domingo, 2/8, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspendeu a liminar deferida a pedido do Ministério Público que pleiteava a interdição total dos leitos do HJMM, o que causaria um enorme prejuízo à população de Fabriciano e toda a região. Na decisão, a desembargadora de plantão, Dra. Sandra Fonseca, afirmou que o Hospital Dr. José Maria Morais, “há plenas e totais condições de acolhimento integral contando com máquinas de hemodiálise e diálise em pleno funcionamento para os pacientes em UTI Covid”.

A máquina foi consertada no dia 29 de julho, como determinado pelo SRS-MG, e já no dia seguinte, foi utilizado em procedimentos de hemodiálise em pacientes. Apesar das condições técnicas, estruturais e disponibilidade de leitos do HJMM, desde então, a SRS-MG e a Central de Regulação decidiram pela transferência de pacientes com Covid-19 para outras unidades hospitalares, dentre elas, Caratinga, situada a mais de 200 km de Fabriciano.

Em relatório encaminhado ao Estado pela direção do Hospital Dr. José Maria Morais é lembrado que “em momento algum, o número de equipamentos de hemodiálise foi critério para credenciamento de leitos em tempos de PANDEMIA; tão somente, o quantitativo de respiradores existentes e capacidade instalada de leitos foram avaliados. Prova disso é que no Plano de Contingência da Região Leste e do Vale do Aço, o Estado definiu o HJMM como referência em tratamento de pacientes com Covid-19 para a microrregião de Saúde de Fabriciano, que abrange oito municípios e mais de 217 mil habitantes”.