Ipatinga reduz em 50% as internações por Covid no Hospital Municipal

O prefeito Nardyello Rocha entende que ainda é muito cedo para considerar a guerra vencida, mas comenta: “Alcançar este patamar já ao final do primeiro mês do segundo semestre, sinalizando para a superação do pico da doença, é um ganho muito relevante”

Em meio a uma série de ações combinadas, governo identifica estratégia de fortalecimento da saúde primária como um dos principais instrumentos para o êxito no combate a doenças de toda ordem. Em 2020, cidade já soma 17 UBS’s com funcionamento até às 22 horas, no programa ‘Saúde na Noite’.

Num misto de satisfação e, também, certo alívio, o Executivo de Ipatinga e as autoridades de saúde pública do município comemoraram nesta quinta-feira (13) a melhor marca conquistada no termômetro de combate à pandemia do novo coronavírus na cidade. Dados computados na última semana revelaram a redução de nada menos que 50% no número de internações de pacientes, entre os casos suspeitos e confirmados para a Covid-19, no Hospital Municipal.

Em alguns momentos, mesmo com a ampliação substancial da capacidade de internação providenciada pelo município – os leitos de UTI Covid-19 foram duplicados, de dez para 20, e os de enfermaria se multiplicaram de 16 para 40 -, a cidade chegou a registrar por diversas semanas consecutivas, entre os meses de maio e junho, uma taxa de ocupação superior a 100%.

Outra métrica extremamente positiva, também divulgada no último balanço semanal da Secretaria de Saúde, é a forte redução da taxa de ocupação dos leitos de enfermaria no Hospital Municipal. Dos 40 disponíveis, somente 20 estão sendo utilizados, ou seja, 50% da capacidade total.

“Esse número – ressalta o governo municipal – declinaria ainda mais drasticamente se fosse considerada a internação somente de pacientes moradores da cidade de Ipatinga. Dos 20, apenas 11 são munícipes, e isto representaria uma ocupação de 28%”.

O prefeito Nardyello Rocha salienta que “ainda é muito cedo para considerar a guerra vencida, mas alcançar este patamar já ao final do primeiro mês do segundo semestre, sinalizando para a superação do pico da doença, é um ganho muito relevante, que não pode ser desconsiderado”. Para ele, “os atuais indicadores foram obtidos graças aos dedicados esforços de muitos servidores, que vestiram a camisa e compraram inteiramente a estrutura organizacional estabelecida pelo poder público no combate à pandemia, percebendo a seriedade com que tratamos o assunto desde o início”.

“Os níveis atuais de ocupação de leitos são consequência de uma série de ações combinadas, complementares e interrelacionadas. No limiar da pandemia, juntamente com o Comitê de Crise integrado também por representantes de diversos segmentos da sociedade, entendemos e optamos pelo isolamento social horizontal. A ideia era buscar o fortalecimento da saúde pública e, efetivamente, nos prepararmos para o pico da doença, que segundo as previsões aconteceria entre os meses de maio e julho. Claro que nem todos aprovaram, mas, em geral, felizmente a opinião pública entendeu as necessidades e os objetivos. Restringimos o funcionamento do comércio, suspendemos aulas e criamos alternativas para o ensino remoto, aderimos a todas as orientações sanitárias, não para penalizar a população ou algum setor, especificamente, mas sim para preparar o sistema e evitar o colapso. No momento em que a cidade mais precisava, os respiradores foram comprados a preços econômicos, por meio de pregão eletrônico (apesar da prerrogativa de podermos dispensar este procedimento em função do estado de emergência), e recebemos também uma doação de equipamentos feita pelo Estado, atendendo aos nossos insistentes apelos. Sabemos que leito de UTI não é tudo, mas é fundamental para assistir os casos graves. Além disso, outras ações foram realizadas em paralelo, como a testagem em larga escala. Ipatinga já testou até o momento quase 21 mil pessoas. Somos a cidade do Brasil que mais testa”, destacou o prefeito.

O chefe do Executivo também ressalta que a taxa de ocupação dos leitos em Ipatinga poderia ser ainda maior, não fosse a testagem em grande escala. “Com a aplicação dos testes, o município consegue identificar de forma antecipada a pessoa doente, mesmo a assintomática, que poderia transmitir a doença a outros e principalmente aos grupos de risco. Essas pessoas poderiam vir a precisar de leitos e aumentar ainda mais a nossa taxa de ocupação”, pontuou.

Outra importante conquista é que a cidade de Ipatinga alcançou um patamar de 92,5% de curados pela Covid-19. A média municipal é muito superior que a nacional, que não passa de 60%. 

Transmissibilidade

Fruto de muita atenção, mobilização permanente e investimentos, em 70 dias a cidade também reduziu de forma significativa o indicador que define o grau de transmissibilidade de infecção (RT) pelo Coronavírus. No início do mês de junho, o índice estava em 1,99 (considerado o pior do Estado naquele período). Já no início do mês de julho, ele foi achatado para 1,09 e, hoje, esse percentual caiu ainda mais, estando em 0,96. Considerado este fator, isoladamente, pelos critérios do programa ‘Minas Consciente’ Ipatinga já estaria na Onda Verde, a mais flexibilizadora.

O indicador que define o grau de transmissibilidade de infecção (RT) do novo Coronavírus em Ipatinga está estável, comemoram as autoridades. Significa que, para cada doente, registra-se menos de um caso secundário. O contágio chegou a ser de um infectado para dois novos casos.

Atendimento primário

Ainda como ação efetiva para o combate da Covid, procurando descongestionar a UPA e o Hospital Municipal, a atual Administração também investiu na ampliação da capacidade de atendimento primário, destaca o governo. Assim é que já são 17 das 21 UBS’s em funcionamento no horário noturno por meio do programa ‘Saúde na Noite’, até às 22h. A assistência de médicos vai até as 21h, de segunda a sexta-feira. O atendimento ampliado ocorre nas Unidades dos bairros Esperança, Canaã, Limoeiro, Vila Celeste, Vila Militar, Jardim Panorama, Iguaçu, Bom Jardim, Veneza II, Bom Retiro, Esperança II, Cidade Nobre, Vale do Sol, Caravelas, Bethânia I e II e Parque das Águas/Planalto. Esta última UBS é uma das duas unidades inauguradas em pleno período da pandemia, juntamente com a do Vila Formosa, liberada para a população nesta quinta-feira (13). A atual gestão ainda vai inaugurar brevemente uma nova UBS (a quinta em dois anos), no Jardim Panorama. E ela, assim como a antiga, também contará com atendimento noturno. 

O chamado atendimento primário recebeu ainda outros incrementos para elevação dos níveis de eficiência no atendimento à população. Por meio da nota técnica 01/2020, publicada no Diário Oficial do município, os médicos que atendem nas unidades de saúde ganharam segurança para a prescrição de medicamentos no tratamento precoce da Covid-19, mesmo em casos suspeitos. Desta forma, buscou-se evitar o agravamento da doença a ponto de haver necessidade de internação.

Para garantir a segurança dos pacientes com a necessidade do uso dos medicamentos introduzidos no protocolo de atendimento e passíveis de provocar efeitos colaterais, todas as unidades de saúde foram dotadas de equipamentos para exames de eletrocardiograma, com agilização de laudos. Além do ganho em eficiência, a chegada dos aparelhos significa também economia aos cofres do município. Antes dos equipamentos, Ipatinga desembolsava R$ 15 por laudo adquirido de instituições privadas. Com a estrutura disponível nas próprias UBS’s, agora o serviço unitário sai por R$ 4,50.

Transparência

O prefeito Nardyello Rocha faz questão de ressaltar também que o monitoramento da execução orçamentária do município referente à Covid-19 foi a forma encontrada pela atual administração para dar total transparência aos recursos captados e sua utilização, de forma a deixar bem evidenciada a responsabilidade com o dinheiro público. “A lisura da ação foi reconhecida inclusive pelo Ministério Público Federal, organismo fiscalizador, que ao verificar notícia de fato aprovou as medidas de enfrentamento à doença adotadas pelo município”.

Ipatinga criou o Portal da Transparência do Coronavírus, canal que pode ser acessado por qualquer cidadão no site oficial da prefeitura (www.ipatinga.mg.gov.br/principal). Por meio dele, é possível fazer o acompanhamento das despesas, licitações, contratos, legislações e demais investimentos em saúde realizados pela Prefeitura durante a pandemia.

Sanitização

Outra grande preocupação das autoridades locais no combate à disseminação do novo Coronavírus é a higienização de áreas públicas. Desde abril, é realizada periodicamente a sanitização de áreas e prédios públicos, pontos de ônibus e outros lugares onde comumente há aglomerações de pessoas. Nos próximos dias, também o Exército trabalhará com uma equipe especial no município, com o mesmo objetivo. O composto químico utilizado na limpeza é o hipoclorito de sódio.

A pulverização dos locais parte de uma recomendação da Vigilância Sanitária do município, que detectou condições de insalubridade e risco tanto para os moradores quanto para toda a sociedade. Em paralelo com a aplicação de quaternário de amônia, os agentes realizam a limpeza das áreas, com o recolhimento de entulhos acumulados.

“A administração municipal ainda atua com ações intensivas de limpeza em repartições públicas, como nas Unidades Básicas de Saúde, Hospital Municipal, UPA, locais que atendem a assistência social como CREAS, CRAS e Centro Pop, praças com concentração de moradores de rua e outras áreas públicas importantes”, acrescenta o prefeito.

Vacinação

Para preservar os idosos, que compõem o principal grupo de risco do Coronavírus, a Administração de Ipatinga criou o ‘Drive Thru’ para vacinar a população maior de 60 anos contra a gripe. As pessoas nessa faixa etária foram imunizadas por equipes especiais, sem necessidade de sair do carro, e isto também foi determinante para ampliar a eficiência das ações de enfrentamento à pandemia. A medida foi implementada com o intuito de evitar aglomerações e reduzir os riscos de contágio durante a campanha nacional contra a Influenza. Além disso, excluindo-se os sintomas de gripe, ficou mais fácil identificar os contágios pela Covid-19.

“E depois, para dar mais segurança à população idosa, ainda nos dirigimos de casa em casa para aplicar a vacina contra a Influenza. Profissionais das 21 UBS’s, devidamente equipados com máscaras, luvas, óculos de proteção e portando álcool em gel, saíram a campo para imunizar os idosos contra a gripe Influenza”, lembra o prefeito Nardyello Rocha.

A Administração municipal entende que “apesar das batalhas vencidas contra a doença e que significaram também o aparelhamento da estrutura de saúde pública municipal com equipamentos e profissionais (foram contratados cerca de 200 servidores somente no período da pandemia), ainda é cedo para afrouxar os cuidados preventivos”. O prefeito Nardyello Rocha finaliza a avaliação do quadro de combate à pandemia na cidade salientando: “Continuamos realizando diariamente o monitoramento de casos notificados e prossegue o mapeamento epidemiológico nas diversas regiões para tomada de decisões”.

Saúde integral

Embora esteja inserido num contexto efetivamente desafiador, por suas características agressivas e, ainda, a ausência de vacinas, o prefeito chama atenção para o fato de que o “enfrentamento do Coronavírus, no município, é um recorte de um conjunto de ações muito mais abrangente, que enxerga a saúde de forma integral, tratada não apenas na fase das doenças, que são uma consequência, mas desde a raiz, com ataque às causas em estratégias preventivas”.

“Contudo – complementa Nardyello –, as demandas reprimidas são grandes, em função de ações que não foram realizadas no passado, e a estrutura de atendimento precisa estar preparada de um extremo ao outro. Nesses dias mesmo, estamos concluindo a licitação para contratação da empresa que vai construir o bloco cirúrgico do Hospital Municipal, uma necessidade de várias décadas, claramente evidenciada, mas sempre ignorada. A materialização desse sonho parte da elaboração de projetos complexos, já produzidos, e agora partimos para a fase da execução. A unidade ocupará uma área total de 518,14 metros quadrados, com capacidade para realizar diariamente até 20 cirurgias eletivas e de urgência. As instalações físicas envolvem a aplicação de quase R$ 3 milhões em recursos, fora a aquisição de equipamentos, já efetivada, que demandou investimentos de R$ 2,5 milhões”.