Fenômeno natural provoca a morte de cerca de 200 kg de peixes na Lagoa Silvana

foto: PM/ Meio Ambiente

Estima-se que 200 quilos de peixes, de várias espécies, morreram no começo da semana na Lagoa Silvana, em Caratinga. A informação é do capitão Átila Porto, comandante da Cia de Meio Ambiente. Ainda segundo o comandante, os peixes já foram retirados da água.

Um fenômeno natural é apontado como a causa da mortandade peixes registrada no começo da semana, na Lagoa Silvana, em Caratinga. Segundo o tenente Moura, da Polícia Militar de Meio Ambiente, com a cheia dos últimos dias, o barro acumulado em um dos braços da lagoa ao longo dos anos, junto com a matéria orgânica, fez com que parte da água desse ponto específico ficasse sem oxigênio. Ainda de acordo com o militar, foi feito patrulhamento em toda a extensão das margens e não há indício de agrotóxico ou de outra ação humana. Tenente Moura informou ainda que a companhia foi acionada nessa terça-feira (9) e estão sendo realizados constantes patrulhamentos, não sendo constatada a repetição da mortandade. A companhia acionou o Núcleo de Emergências Ambientais do governo estadual e encaminhou relatório para o órgão. Também foi colhida uma amostra da água para análise

Segundo comunicado oficial do Clube Náutico Alvorada, a situação foi informada imediatamente aos órgãos ambientais competentes. A análise da água feita por um laboratório detectou níveis baixos de oxigênio já na superfície em alguns pontos da lagoa e uma redução de oxigênio ainda mais acentuada em níveis de 2 e 3 metros de profundidade, principalmente no braço da Luzia. Os sedimentos que estavam nos braços da lagoa formaram uma área brejosa com lama podre oriunda da decomposição de vegetais. Com as fortes chuvas, esses braços que já anos estavam com matéria orgânica em decomposição, carrearam todo o sedimento acumulado ao longo dos anos para o fundo da lagoa, desencadeando o fenômeno natural de “estratificação térmica” formando camadas entre o fundo e a superfície, sendo que em algumas camadas com baixa concentração de oxigênio provocando a morte de alguns espécimes. Situação já normalizada.

O clube informou ainda que outros resultados de laboratório sairão em breve com o objetivo de detectar alguma outra situação. Mas a princípio, tudo indica que essa estratificação do oxigênio ( O2) tenha causado essas mortes momentaneamente.