Dia do Comerciante: pandemia traz novas perspectivas e varejo deve estar atento a transformações nos hábitos dos consumidores

Desafios da área serão tema de palestra gratuita que ocorre no dia 15/07, às 19h30, com transmissão simultânea on-line

O Comércio foi uma das áreas que mais tiveram suas atividades afetadas pelo surto de Covid-19. Segundo dados do IBGE, mais de 60% das empresas relataram sofrer impacto negativo em decorrência da pandemia e quase 50% tiveram queda significativa nas vendas. Em meio a esses reflexos, o próprio comportamento do consumidor tem passado por transformações e os profissionais devem estar atentos a essas mudanças.

“O que estamos vendo é a evolução da cadeia do comércio. Cada vez mais tem se levado em conta métodos como inbound marketing e estratégia omnichannel. Isso se aplica a todos os setores de vendas. O aprimoramento da experiência do cliente e o desenvolvimento de estratégias para aumentar da visibilidade da oferta podem significar a expansão das oportunidades de negócios ou a própria salvação da receita”, aponta Rafael Borges, docente de MBA (MBA em Gestão de Empresarial e MBA em Gestão Estratégica de Pessoas) no Senac Minas.

O setor já apresenta reação em relação à pandemia. Maio registrou aumento de 1,4% nas vendas do comércio, que já mostra resultado acumulado superior ao momento anterior ao surto da Covid-19. A atividade de tecidos, vestuário e calçados foi um destaque nos últimos meses, com alta de 16,8% no consumo. Apenas um segmento apresentou retração: a área de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, com queda de 1,4%.

Comércio on-line já é realidade

Muito antes da pandemia, o e-commerce já se apresentava como tendência para o varejo em diversas atividades e, para Rafael Borges, o isolamento imposto pela Covid acelerou ainda mais esse processo. Os dados do Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital corroboram com a perspectiva. Segundo estudo da organização, o e-commerce brasileiro registrou crescimento de mais de 70% no ano de 2020.

Porém apenas estar na internet não é o suficiente para garantir a venda: “As medidas restritivas e o receio das paradas constantes trouxeram ainda mais a discussão de como aproveitar o acesso e o uso do celular/Internet para girar o comércio. Porém, para impactar esses possíveis consumidores, é preciso muito mais que estar presente nas redes. Os clientes estão mais exigentes, querem personalização, serem atendidos com rapidez e entregas mais ágeis. Por isso, o varejo deve investir em tecnologia, em automações e análises do consumidor. É o surgimento de novos comportamentos e hábitos de consumo da sociedade, como ocorre agora, que faz a condução dos negócios evoluírem. O espaço para fazer o que se fazia há 10 anos ou de esperar o cliente está cada vez menor”, aponta o docente do Senac.

Os desafios da transformação do varejo

O especialista Rafael Borges será o palestrante do evento em comemoração ao Dia do Comerciante, que debaterá as novas perspectivas e desafios para a área, realizado pelo SindComércio de Patos de Minas, em parceria com o Sistema Fecomércio MG, Sesc, Senac e Sindicatos Empresariais. O encontro está marcado para o dia 15 de julho, às 19h30, presencialmente na sede do SindComércio de Patos de Minas e contará com transmissão on-line simultânea pela plataforma Teams.

O evento é gratuito e as inscrições devem ser realizadas pelo Sympla. Para participar presencialmente, é necessário seguir todos os protocolos sanitários locais para prevenção da Covid-19.

SOBRE O PALESTRANTE

Rafael Borges é professor de Marketing e Comunicação Empresarial nos MBA de Gestão Empresarial e Gestão de Pessoas do Senac em Minas. Publicitário, o especialista possui MBA em Gestão Empresarial pela FGV e é sócio-diretor da HIP Comunicação, agência de comunicação propulsora de ideias e negócios.

Serviço:
Evento Dia do Comerciante
Data: 15/07/21
Horário: a partir de 20h
Inscrições pelo Sympla
Transmissão pelo Teams

próximo artigoEventos com público retornam gradualmente em Ipatinga
Artigo seguinteSP lança bolsa de R$ 500 para pais de estudantes da rede estadual