O ano de 2023 representou uma queda de 74% no número de novos registros de posse de armas de fogo no Brasil. Ao todo, foram 32,5 mil novos pedidos realizados de janeiro a novembro deste ano, contra 91,7 mil no mesmo período do ano anterior, segundo  dados do Sistema Nacional de Armas, da Polícia Federal.

Esta foi a menor quantidade nos últimos dez anos. A queda tem sido constante desde 2021, quando o país registrou um recorde de 113 mil solicitações de registros.

Desde que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tomou posse, são em média 71 novos pedidos de registros por dia. Durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro, eram 275. Caso obtenha o registro, cada cidadão só pode adquirir até duas armas de fogo por ano. Para isso, deve comprovar efetiva necessidade. Empresas também podem adquirir o direito, com uma quantidade mais flexível de armas, a depender da operação.

Os dados de 2023 são reflexo de decretos assinados por Lula que dificultam a aquisição desse tipo de armamento. Um deles reduz o acesso de civis e CACs (colecionadores, atiradores e caçadores) a armas de fogo de uso restrito, que inicialmente só podiam ser usadas por membros das Forças Armadas, mas que foram flexibilizadas por Bolsonaro; diminui a quantidade de armas e munições acessíveis para civis e proíbe o funcionamento dos clubes de tiro por 24 horas.

Outro decreto eleva a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)  de 29,25% para 55% para os seguintes produtos: revólveres, pistolas, armas de fogo carregáveis, espingardas, carabinas para caça ou tiro ao alvo e recipientes de aerossol contendo produtos químicos ou oleorresina de capsicum com propriedades irritantes.

próximo artigoConcessionária do Aeroporto de Confins cobra repasses devidos do governo federal
Artigo seguinteReclamações contra planos de saúde cresceram quase 50% em 2023