Na quarta-feira (22/5), um pedido de vistas apresentado pelo deputado Sargento Rodrigues (PL) parou a tramitação do projeto

O projeto de reajuste em 3,62% do salário dos servidores civis e militares da administração direta do Estado de Minas Gerais volta a ser discutido na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO) da Assembleia Legislativa (ALMG) nesta quinta-feira (23/5).

Na quarta-feira (22/5), um pedido de vistas apresentado pelo deputado Sargento Rodrigues (PL) parou a tramitação do projeto de lei apresentado pelo governador Romeu Zema (Novo). Depois de aprovado na FFO, o texto fica pronto para ser votado no plenário em primeiro turno.

A iniciativa do parlamentar interrompe a tramitação acelerada da proposta. A base de apoio do governador tem trabalhado para aprovar a proposta nas comissões o mais rápido possível e tem a intenção de colocar o projeto para votação em plenário ainda na próxima semana. No final da manhã dessa quarta, a proposta foi aprovada na Comissão de Administração Pública (APU) e já no início da tarde o texto entrou em votação na FFO.

Sargento Rodrigues é um dos parlamentares que critica o reajuste proposto pelo governo. Segundo ele, o índice, de 3,62%, não cobre sequer as perdas inflacionárias do último ano, que foi de 4,62%, e classifica o aumento como “migalhas” do governo ao funcionalismo.

“Peço desculpas aos demais deputados, mas ninguém tem pressa na aprovação desse projeto. Os servidores não precisam se preocupar. O texto prevê o reajuste retroativo a 1º de janeiro. Mas nós não podemos aceitar migalhas”, destaca.
próximo artigoSTF reconhece prática de assédio judicial contra jornalistas e veículos de comunicação
Artigo seguinteLula recebe credenciais de oito novos embaixadores

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here