Investigação aponta presença de gerente do MEC e pastor em mesmo hotel

A Polícia Federal afirmou que o pastor Arilton Moura e o então gerente de projetos da Secretaria-Executiva do Ministério da Educação (MEC), o advogado Luciano Musse, estiveram ao mesmo tempo em um hotel em Brasília em pelo menos 10 ocasiões entre 2020 e 2022. Os dois estão envolvidos na Operação Acesso Pago, deflagrada pela corporação para investigar suspeitas de corrupção na pasta.

Segundo a apuração, Musse é “personagem importante” no caso, pois atuaria como operador financeiro do suposto esquema ilegal. Ele chegou a assumir a Gerência de Projetos da Secretaria-Executiva do ministério, em abril de 2021, mas foi exonerado em março deste ano, em meio ao escândalo.

“Luciano, no contexto investigativo, é personagem importante no suposto esquema de cooptação de prefeitos para angariar vantagens pessoais através do direcionamento ou desvio de recursos do FNDE (Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação) /MEC a pretexto de atender políticos/prefeituras, caracterizando, hipoteticamente, uma sofisticada captação ilegal de recursos públicos com a eventual infiltração de operador financeiro na gestão da pasta”, aponta a investigação.

O advogado foi infiltrado pelos pastores no MEC e passou quase um ano no cargo. O hotel era usado para negociações de verbas federais com prefeitos, como revelou a Folha de S.Paulo.

A análise nos arquivos do hotel mostrou um total de 63 hospedagens no nome de Arilton Moura e 29 no nome dele Luciano Musse desde 2020. Os investigadores também encontraram um check-in do pastor Gilmar Santos.

Os registros começam em agosto de 2020, cerca de um mês após o agora ex-ministro Milton Ribeiro assumir o MEC, e terminam em março deste ano, quando estourou o escândalo do gabinete paralelo de pastores que passou a controlar a agenda e as verbas do Ministério da Educação. Prefeitos relataram cobrança de propinas em dinheiro e até em ouro em troca da liberação de recursos.

O ex-ministro e os pastores foram presos preventivamente na última quarta-feira, mas acabaram soltos no dia seguinte por um habeas corpus do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). O advogado havia recebido ordem de prisão domiciliar. Eles são investigados por suspeita de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência.

Pedido de CPI

As atenções do Senado, nesta semana, estarão voltadas à entrega do requerimento para instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) destinada a investigar o escândalo. Com 28 das 27 assinaturas necessárias, o líder da oposição na Casa, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), deve protocolar o documento amanhã. O requerimento será submetido à apreciação da Mesa Diretora e, em seguida, examinado pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

A jornalistas em Lisboa, Pacheco disse que vai avaliar o pedido e enfatizou que a situação denunciada no MEC é grave. “Precisa ser investigada, e os culpados devem ser responsabilizados na forma da lei”, enfatizou.

O Senado tem outros pedidos de CPIs protocoladas, como o do crime organizado, do senador Eduardo Girão (Podemos-ES), e o das obras inacabadas, que teve assinaturas colhidas pelo líder do governo, Carlos Portinho (PL-RJ). Esse último foi uma estratégia do Executivo para tentar barrar a CPI do MEC. Na semana passada, governistas diziam que a comissão articulada por Randolfe deveria “esperar no final da fila”.

próximo artigoEduardo da Fonte comemora decisão que determina cobertura de planos de saúde no tratamento do autismo
Artigo seguinteApós recesso, Judiciário deve enfrentar semestre de muitos desafios