Mãe de santo xingada por presidente da Fundação Palmares em áudio presta queixa na polícia

A líder religiosa Adna Santos, conhecida como Mãe Baiana de Oyá, denunciou nesta quarta-feira (3) o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, por injúria racial, discriminação racial e discriminação religiosa.

Em áudio de reunião do dia 30 de abril, Camargo xinga a mãe de santo de “macumbeira”, “filha da puta” e “miserável”. A gravação foi divulgada esta semana pelo jornal O Estado de S.Paulo.

“Tem gente vazando informação aqui para a mídia, vazando para uma mãe de santo, uma filha da puta de uma macumbeira, uma tal de Mãe Baiana, que ficava aqui infernizando a vida de todo mundo”, disse Camargo, na reunião, numa referência a Adna dos Santos.

A queixa foi realizada na Polícia Civil do Distrito Federal e registrada na Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin). Como a denúncia envolve o presidente de uma entidade federal, a investigação será passada para a Polícia Federal.

Mãe Baiana é uma das lideranças mais atuantes do candomblé no Distrito Federal e ocupa cargo de coordenadora de Políticas de Promoção e Proteção da Diversidade Religiosa da Subsecretaria de Direitos Humanos e Igualdade Racial no governo distrital. Ela também atuou na Fundação Palmares por cerca de quatro anos.

Mãe Baiana afirmou que ficou assustada com as declarações de Camargo porque não o conhece. Ela afirmou que fez Boletim de Ocorrência na delegacia pelo respeito que possui “pela sua comunidade e por sua ancestralidade”. Também defendeu que Camargo precisa respeitar a função, já que tem como papel promover políticas públicas.

próximo artigoChefão da F-1 espera público em setembro e garante provas mesmo com coronavírus
Artigo seguinteNa Bolsa, investidor aproveita agenda fraca de indicadores para embolsar lucros