Transgender woman covered with the transgender flag and holding a flag in the hand for defending her rights

Em 29 de janeiro é celebrado o Dia Nacional da Visibilidade de Travestis e Transexuais. A data foi instituída em 2004, para marcar a luta pela garantia de direitos, pelo reconhecimento de suas pautas, identidades e visibilidade. A data também busca sensibilizar a população a enxergar os crimes de ódio que são cometidos contra a comunidade trans. Segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), a cada 48h, um travesti ou mulher transexual é assassinada em nosso país. Por isso, a expectativa de vida da população trans no Brasil seja a menor do mundo: em torno de 35 anos.   

A falta de inclusão acarreta, entre vários desdobramentos, a dificuldade de acesso ao mercado de trabalho. De acordo com o Relatório da violência homofóbica no Brasil, divulgado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH), 90% das pessoas trans recorrem a prostituição como profissão, em algum momento da vida. Uma das propostas para modificar essa realidade é a capacitação profissional, visando garantir oportunidades e equidade.  

Travestis e Transexuais no mercado de trabalho 

Por causa do preconceito e da estigmatização, a procura por um emprego formal se tornou um caminho de exclusão para as pessoas transgênero. Segundo a Antra, 20% da população transsexual está fora do mercado de trabalho. Mesmo com a Lei nº 7.716/89, que prevê os crimes resultantes de preconceito e discriminação, muitas empresas ainda não se adequaram a normalização e recepção dessa comunidade.   

A Coordenadora de Educação Inclusiva do Senac, Juliana Gaudêncio, evidencia que as empresas se beneficiam com a contratação de um público diverso. “Resultados positivos foram obtidos em empresas onde líderes promovem a diversidade e se mostram comprometidos com a inclusão em suas equipes. Pessoas diversas no ambiente de trabalho trazem mais engajamento, criatividade e entregas, além da marca ser mais lembrada pelos consumidores. Pessoas trans querem muito trabalhar e possuem total competência para tal, basta um processo seletivo adequado.” Juliana ainda destaca que por possuírem vivências e pensamentos distintos da maioria, os colaboradores trans contribuem para diferentes perspectivas na tomada de decisão.   

Oportunidades e inclusão 

Consciência de sua atuação social, o Senac em Minas realiza ações para que a inclusão dessas pessoas ocorra de fato. Atividades de acolhimento, apoio e sensibilização são executadas para gerar mais equidade e oportunidades. A gestora explica que “além das ações e adaptações para receber esses grupos na instituição, as equipes do Senac são permanentemente preparadas para acolhê-los”.  

A instituição também atua em prol da causa por meio de parcerias. O Senac, juntamente ao Shopping Cidade e outros agentes, participa da Capacitação e Inclusão de Mulheres Trans no mercado de trabalho com o propósito de promover oportunidades de emprego para mulheres transgênero nas lojas do shopping, administração e empresas terceirizadas. Juliana Gaudêncio afirma que “em 2022, em parceria com a Defensoria Pública de Minas Gerais, recebemos mulheres trans em nossos cursos para serem capacitadas e terem a oportunidade de ingressar ou reingressar no mercado de trabalho. Esta parceria deverá ter continuidade em 2023, pois, somente com a educação transformamos e incluímos vidas”.  

Inclusão na prática 

Respeitar o potencial das pessoas é o primeiro passo para acabar com o preconceito. Rafa Marques, docente do curso Técnico em Enfermagem do Senac em Coromandel, salienta que o acesso à informação tem mudado o mercado de trabalho. “Está mais aberto à inclusão. O maior ganho é dar o poder da voz para uma minoria, que por décadas vem sendo calada, violentada e oprimida por uma sociedade carregada de estigmas e preconceitos.” 

Rafa Marques avalia ainda que a sua trajetória no Senac contribui e influencia a inclusão de outras pessoas: “Poder ter uma mulher trans como docente de um curso traz visibilidade e mostra para todas as comunidades LGBTQIA+ que podemos estar e conquistar tudo por meio da educação e da profissionalização”. 

Um dos destaques da 4ª Edição das Competições Senac de Educação Profissional – Etapa Estadual, a estudante Sara Isabela, aluna do Curso Técnico de Cabeleireiro do Senac em Conselheiro Lafaiete, concorda e avalia que sua presença em sala de aula contribuiu para que outras meninas e meninos participem e tenham a mesma oportunidade que ela teve. “O Senac me deu essa segurança e essa possibilidade, de executar e trabalhar da melhor forma, sendo eu mesma, sem restrições. Isso é algo muito bom porque dá uma confiança. É um acolhimento, é um abraço que a gente recebe e é válido para todas as pessoas.” 

O maior desafio da inclusão na prática é a marginalização que a sociedade criou sobre Travestis e Transexuais. Rafa ressalta para a população trans que “temos que mostrar que somos iguais, vivemos na mesma sociedade, pagamos impostos, trabalhamos e fazemos nossa parte social. Oportunidades e educação mudam vidas”. Nesta mesma linha, a estudante Sara Isabela aponta também que “são pessoas que querem agregar e querem trabalhar. É muito importante englobar esses profissionais e mostrar que não existe diferença no trabalho, que todos nós somos iguais”.  

De acordo com a docente Rafa Marques, há ainda um caminho a percorrer para tornar essa inclusão uma realidade. “No contexto atual, a importância da luta da população trans é uma forma de resiliência à frente de toda a causa.” 

Sobre o Senac em Minas  

Com um olhar atento às tendências mundiais e no contexto da Revolução 4.0, o Senac tem como propósito oferecer educação profissional de qualidade, com base nas demandas empresariais e sociais, e nas tendências do mundo do trabalho, da inovação e dos princípios de sustentabilidade. O portfólio de cursos da instituição é desenvolvido com base na necessidade do mercado, considerando pesquisas, estudos e contatos diretos com os empresários. São 40 unidades educacionais distribuídas no estado e 12 carretas móveis que reproduzem os ambientes das salas de aula.   

Senac oferece opções de cursos livres, técnicos, graduação e MBA, que permitem uma formação complementar transversal, o chamado itinerário formativo. O aluno pode traçar sua trajetória partindo dos cursos de formação inicial chegando ao ensino superior ou vice-versa. Além disso, a variedade de segmentos de atuação (gestãosaúdegastronomiacomércioidiomastecnologia da informaçãomodasegurançabelezameio ambienteturismodesignprodução de alimentos, entre outros) corroboram com uma formação diferencia

próximo artigo‘Cruzeiro não jogará no Mineirão em 2023’, afirma Ronaldo Fenômeno
Artigo seguinteIBGE: prévia da inflação ficou em 0,55% em janeiro