Com mais países monitorados, Brasil se prepara para aumento no número de casos do coronavírus

O coronavírus já infectou pessoas em 86 países ou territórios e a lista de locais onde a doença é transmitida inclui o Brasil. Após confirmar as primeiras infecções no país, o Ministério da Saúde investiga mais de 630 casos suspeitos, número que deve subir bastante nos próximos dias. Isso se deve ao alto número de voos internacionais que chegam todos os dias ao Brasil e ao fato de novos países, como os Estados Unidos, serem incluídos recentemente na lista de locais com transmissão do vírus.

Segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, 193 voos internacionais aterrissam, em média, diariamente no Brasil. Um movimento de aproximadamente 43 mil pessoas que chegam todos os dias em aeroportos de 14 estados brasileiros. São consideradas suspeitas de estarem infectadas com o coronavírus as pessoas que manifestam sintomas – como febre, tosse ou dificuldade de respirar – associados ao fato de terem vindo de algum dos 33 países monitorados pelo Ministério da Saúde (confira a lista abaixo*). Também são considerados suspeitos aqueles que manifestam os sintomas e tiveram contato com outras pessoas que sejam suspeitas.

Devido ao alto fluxo de pessoas que vêm dos países monitorados, o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, aponta que é complexo isolar todos os pacientes suspeitos de estarem infectados. “No começo, quando a China descobriu o vírus, eles tinham total certeza da necessidade de tomar medidas duras, bem rigorosas. Naquele momento, fazia sentido fazer quarentena lá na China, fazia sentido fazer quarentena na Itália. Mas não faz sentido ficarmos fazendo a mesma coisa. Essa é a grande questão. Os números que o doutor Gabbardo passou aqui demonstram claramente a impossibilidade de fazer a contenção desse vírus em um país continental como o Brasil. Pode ser para um país pequeno da Europa, mas para o Brasil não é possível”, explicou Oliveira.

O secretário-executivo, João Gabbardo, esclarece que o número de casos suspeitos pode aumentar rapidamente nos próximos dias devido à inclusão de novos países na lista de monitoração. A confirmação de um único caso da doença pode acender o alerta para todas as pessoas que estiveram em contato com ela. “Vamos imaginar que em um voo tenha 200 pessoas: se cada voo desse tiver uma pessoa que tenha sintoma – apenas uma – nós vamos ter quase 200 casos suspeitos todos os dias”, exemplificou.

Aplicativo “Coronavírus – SUS”

Para orientar os brasileiros sobre o coronavírus, o Ministério da Saúde lançou o aplicativo “Coronavírus – SUS”. A plataforma traz informações sobre a doença que o vírus pode causar, as formas de prevenção e os sintomas, além de oferecer um mapa que indica, por localização, todas as Unidades Básicas de Saúde próximas. Como há muita informação falsa, as chamadas “fake news”, circulando sobre a doença, o aplicativo também tem uma área de notícias oficiais do Ministério da Saúde para desmentir boatos e oferecer conteúdo confiável.

Arte: Ítalo Novais/ Sabrine Cruz

Embora seja útil para toda a população brasileira, o aplicativo foi pensado especialmente para os cidadãos que viajaram ao exterior. Dos 43 mil passageiros que desembarcam diariamente no Brasil, segundo Gabbardo, 30 mil são brasileiros e 13 mil são estrangeiros.

O diretor de comunicação do Ministério da Saúde, Ugo Braga, explica a estratégia pensada com o desenvolvimento do app. “O público-alvo que a gente quer atingir são os viajantes. Não os viajantes estrangeiros, mas os brasileiros que viajaram e estão voltando para casa. Esse é o nosso público primordial, porque eles precisam saber, em primeiro lugar, qual é o conhecimento que o nosso sistema de saúde tem a respeito do vírus e da doença. Está tudo lá no aplicativo”, ressalta.

Braga lembra ainda que o “Coronavírus – SUS” dá informações ao usuário sobre como proceder em casos suspeitos ou quando houver manifestação de sintomas. “Apresentando algum sinal da doença, o que que eu faço? O aplicativo vai te ajudar, porque ele é georreferenciado. Ele diz o que próximo a sua casa está à disposição para que você seja atendido e, assim, a gente consegue dar uma consistência melhor a esse primeiro atendimento. Até porque o Ministério [da Saúde] vem reiterando que não há motivo para pânico, não há necessidade para as pessoas correrem para as emergências dos hospitais. O aplicativo também ajuda nesse ponto”, acrescenta o diretor de comunicação do Ministério da Saúde.

O aplicativo é gratuito e está disponível para celulares com os sistemas operacionais Android e iOS. Mais informações estão disponíveis no portal saude.gov.br/coronavirus.

*Lista de países monitorados (registrados com transmissão local segundo a OMS/ Filipinas e Camboja não registraram transmissão local, mas estão em região afetada)

1. Alemanha

2. Argélia

3. Austrália

4. Canadá

5. China

6. Coreia do Norte

7. Coreia do Sula

8. Croácia

9. Dinamarca

10. Emirados Árabes Unidos

11. Equador

12. Espanha

13. Estados Unidos

14. Finlândia

15. França

16. Grécia

17. Holanda

18. Indonésia

19. Irã

20. Israel

21. Itália

22. Japão

23. Líbano

24. Malása

25. Noruega

26. Reino Unido

27. Romênia

28. San Marino

29. Singapura

30. Suécia

31. Suíça

32. Tailândia

33. Vietnã

fonte: Agência Brasil