CNJ recebe pedido para investigar juíza de Unaí por apologia a aglomeração

Por conta de publicações nas redes sociais em defesa da aglomeração de pessoas feitas por uma juíza da Vara Criminal e da Infância e da Juventude de Unaí, no Noroeste de Minas, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recebeu uma representação pedindo a abertura de um processo administrativo contra a magistrada.

No documento enviado no sábado (2), o advogado José Belga Assis Trad afirma que a juíza cometeu infração ético-disciplinar ao se manifestar contra as recomendações das autoridades sanitárias para evitar a proliferação da Covid-19. 

“As pessoas que nela confiam, por ser uma autoridade integrante do Poder Judiciário, certamente serão influenciadas por sua irresponsável e inconsequente manifestação, que, de tão absurda, pode estar a configurar crime de apologia à infração de medida sanitária preventiva”, diz o pedido.

Através do Twitter, ela publicou registros de uma viagem a Búzios, no litoral do Rio de Janeiro, durante as celebrações de Ano Novo. Nas postagens, ela disse “cidade que não se entregou docilmente ao medo, histeria ou depressão” e incluiu a hashtag #AglomeraBrasil.

Em dezembro, a Justiça do Rio chegou a proibir a entrada de turistas, o acesso às praias e a circulação de táxis, carros de aplicativo e ônibus intermunicipais na cidade na tentativa de evitar a disseminação do coronavírus no período de festas. A liminar, no entanto, acabou derrubada pelo presidente do Tribunal de Justiça do Rio, Cláudio de Mello Tavares.

A reportagem do Hoje em Dia fez contato por telefone com o Fórum de Unaí e tentou localizar os advogados da juíza, mas não conseguiu. A magistrada também não respondeu as mensagens envidas por rede social até a publicação da matéria.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) disse que não irá se pronunciar sobre o caso “por força do disposto no artigo 63, inciso III, da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (LOMAN)”. 

próximo artigoPF investiga venda de relíquias arqueológicas encontradas no Acre
Artigo seguinteExtrema pobreza avança e atinge 14 milhões de famílias no Brasil