Um estudante tcheco de 24 anos matou seu pai a tiros e depois matou 14 pessoas e feriu 25 em sua universidade de Praga nesta quinta-feira (21), antes de possivelmente se matar, disse a polícia, marcando o pior atentado a tiros da história do país.Anteriormente, a polícia havia informado que o homem armado matou ao menos 15 pessoas.

O atirador também é suspeito dos assassinatos de outro homem e de sua filha de 2 meses, encontrados mortos a tiros na semana passada em uma floresta em um vilarejo nos arredores de Praga, disse o chefe de polícia da cidade, Martin Vondrasek.

As autoridades – que descobriram um grande arsenal de armas em um edifício da Universidade Charles, na região central de Praga – foram informadas no início do dia de que o homem provavelmente se dirigia para Praga vindo da sua cidade, na região de Kladno, nos arredores da capital, com intenções de tirar a própria vida.

Pouco depois, o pai do atirador foi encontrado morto.

A polícia desocupou o prédio da Faculdade de Artes onde o atirador deveria assistir a uma aula, mas foi chamada ao prédio principal da faculdade, chegando poucos minutos após relatos de tiros, disse Vondrasek.

“Temos informações muito recentes e não confirmadas de uma conta em uma rede social de que ele foi supostamente inspirado por um ataque terrorista na Rússia no outono deste ano”, disse Vondrasek a jornalistas, acrescentando que o atirador era detentor legal de várias armas de fogo.

“Foi um ato horrível premeditado que começou na região de Kladno e infelizmente terminou aqui.”

A morte do atirador foi provavelmente suicídio, mas as autoridades também estão investigando se ele pode ter sido morto pela polícia que respondeu aos tiros, acrescentou Vondrasek. A polícia disse que ele era um estudante de alto desempenho, sem antecedentes criminais, e que agiu sozinho.

A polícia pediu para não revelar a identidade do homem, mas seu nome, divulgado por alguns meios de comunicação tchecos, correspondia a um relatório de busca policial.

As autoridades isolaram a praça e a área adjacente ao edifício da faculdade, que fica em um movimentado bairro histórico, descendo a colina do Castelo de Praga, em uma rua popular que leva à Praça da Cidade Velha.

Imagens da imprensa mostraram estudantes desocupando o prédio com as mãos para cima, e outros empoleirados em um parapeito perto do telhado tentando se esconder do agressor enquanto estudantes barricavam as salas de aula com carteiras e cadeiras.

“Sempre pensávamos que isso era uma coisa que não nos dizia respeito. Agora acontece isso, infelizmente, nosso mundo também está mudando e o problema de atiradores individuais está surgindo aqui também”, disse o prefeito de Praga, Bohuslav Svoboda, à TV tcheca.

A Casa Branca condenou o atentado e disse que os Estados Unidos estavam prontos para oferecer assistência. Líderes de toda a Europa, incluindo o francês Emmanuel Macron, ofereceram apoio.

A testemunha Ivo Havranek, de 43 anos, disse à Reuters via Zoom que inicialmente pensou que os “estrondos” que ouviu poderiam ter vindo de turistas barulhentos ou de um set de filmagem próximo.

“Então, de repente, havia estudantes e professores correndo para fora do prédio. Atravessei a multidão sem perceber o que realmente estava acontecendo. Não estava pronto para admitir que algo assim pudesse acontecer em Praga”, disse ele. Somente quando viu policiais com rifles automáticos é que soube que era sério, disse ele.

“Eles gritaram para que eu corresse.”

O primeiro-ministro tcheco, Petr Fiala, cancelou uma viagem ao Leste do país, e o governo realizou uma reunião de emergência com a presença do presidente, Petr Pavel, e do chefe do serviço de contraespionagem do país.

Os crimes com armas de fogo são relativamente raros na República Tcheca. Em dezembro de 2019, um homem armado de 42 anos matou seis pessoas na sala de espera de um hospital na cidade de Ostrava, no Leste do país, antes de fugir e se matar com um tiro, segundo a polícia.

(Reportagem adicional de Anna Lubowicka)

próximo artigoPetrobras assina venda de participação em dois campos em Santos
Artigo seguinteEspaços do Instituto Usiminas fecham no fim de ano