Pacientes no Paquistão apostam em arriscada transfusão de plasma

A eficácia do tratamento da COVID-19 com plasma não está comprovada, mas muitos paquistaneses desesperados arriscam a vida com essa transfusão, alimentando um mercado ilegal em expansão.

Muitos países, incluindo o Paquistão, lançaram testes para verificar se a transfusão de plasma sanguíneo de pessoas curadas poderia ajudar, com seus valiosos anticorpos, a eliminar o vírus mais rapidamente.

Mas alguns pacientes estão cada vez mais tentados a recorrer a clínicas particulares ou ao mercado negro, sem qualquer garantia sobre a origem ou a qualidade do produto sanguíneo.

“É o produto do desespero. Todo mundo quer acreditar que existe uma resposta” ao coronavírus, disse à AFP Fareeha Irfan, especialista em saúde pública do Paquistão.

“É fácil tirar proveito da credulidade de pessoas que não estão muito conscientes do que está acontecendo no mundo científico”, acrescentou.