Ex-presidente insultou testemunhas e membros do júri em seu julgamento

O ex-presidente Donald Trump foi multado em US$ 9 mil (R$ 46 mil na cotação atual) nessa terça-feira (30) por insultar testemunhas e membros do júri em seu julgamento criminal em Nova York, onde o juiz Juan Merchan alertou que poderá prendê-lo em caso de reincidência.

Segundo Merchan, que anunciou a sua decisão a Trump na abertura de uma nova audiência do julgamento, o acusado violou a ordem de não insultar testemunhas, jurados, membros do tribunal ou seus familiares. “O tribunal não tolerará violações repetidas de suas ordens e, se necessário e nas circunstâncias adequadas, irá impor uma pena de prisão”, enfatizou o juiz.

Trump foi multado por nove violações da ordem que havia recebido para não atacar o tribunal. Cada uma foi punida com US$ 1.000 e ele foi ordenado a remover “os comentários ofensivos” até a tarde desta terça-feira – sete dos quais foram postados em sua plataforma Truth Social e dois no site de sua campanha para as eleições de 5 de novembro.

O juiz emitiu sua ordem antes da retomada dos depoimentos no histórico julgamento do magnata republicano sob a acusação de falsificar registros comerciais para pagar US$ 130 mil (424 mil reais na cotação da época) pelo silêncio da ex-atriz pornô Stormy Daniels, com quem ele teve um suposto caso extraconjugal.

Antes da decisão do magistrado, os promotores levantaram novas violações, que serão examinadas na quinta-feira, com possíveis novas sanções para Trump.

‘Ordem de silêncio’

Na saída do tribunal, o candidato presidencial republicano voltou a classificar a ordem como “totalmente inconstitucional”. Merchan defende que a medida tem como objetivo proteger as testemunhas e os jurados de pressões e intimidações.

Trump é o primeiro ex-presidente americano a enfrentar acusações criminais, e a sua presença obrigatória no tribunal limita a dedicação integral à campanha eleitoral, menos de sete meses antes da sua esperada revanche com o democrata Joe Biden, que o derrotou em 2020.

O bilionário é acusado de falsificar registros comerciais para reembolsar seu então advogado, Michael Cohen, que pagou Daniels poucos dias antes da eleição de 2016, na qual Trump derrotou a democrata Hillary Clinton.

Daniels, de 45 anos, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, na época ameaçou tornar pública sua história sobre um suposto encontro sexual com Trump em 2006 que poderia ter atrapalhado sua campanha na Casa Branca.

O republicano nega ter tido relações sexuais com ela e aproveitou as aparições fora do tribunal de Manhattan para criticar a sua acusação, dizendo que constitui uma “caça às bruxas”.

Depoimentos

Nesta terça-feira, o desfile de testemunhas continuou, com relatos sobre como alguns veículos de comunicação compravam histórias sensacionalistas do magnata para evitar sua publicação. Na semana passada, David Pecker, ex-diretor do tabloide americano The National Enquirer, contou como se colocou a serviço da campanha de Trump em 2016 ao comprar os direitos exclusivos de dois depoimentos que poderiam manchar a imagem do republicano.

Keith Davidson, a testemunha principal do dia, foi advogado de Daniels e Karen McDougal, uma modelo da Playboy que também afirmou ter tido um caso com Trump. Davidson disse ao tribunal que antes das eleições de 2016 negociou a venda da história de McDougal para a ABC News e American Media Inc (AMI), empresa editora do National Enquirer.

“Temos uma grande história sobre Trump”, disse Davidson ao então editor-chefe do National Enquirer, Dylan Howard, em uma mensagem, à qual ele respondeu: “Ele enganou Melania?”.

A história de McDougal foi finalmente comprada pela AMI por US$ 150 mil (cerca de R$ 515 mil na cotação da época) para evitar sua publicação, conforme testemunhou Pecker na semana passada.

Quanto ao pagamento para comprar o silêncio de Daniels, Davidson disse ao tribunal que sempre ficou claro para ele que Cohen estava negociando em nome de Trump. Gary Farro, ex-CEO do agora extinto First Republic Bank, também testemunhou na terça-feira.

“Não sei se ele disse explicitamente ‘estou negociando isso para Donald Trump'”, disse Davidson, mas “[Cohen] me deixou saber em cada oportunidade que estava trabalhando para Donald Trump”.

Davidson disse que o acordo entre Trump e Daniels foi fechado poucos dias antes das eleições presidenciais de 2016, e que eles usaram os pseudônimos David Dennison e Peggy Peterson. (AFP) 

próximo artigoMadonna receberá cachê de R$ 17 milhões por show em Copacabana
Artigo seguinteReajuste dos planos de saúde coletivos deve atingir dois dígitos mesmo com lucro

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here