Israelenses acusam o Hamas de utilizar os hospitais com fins militares, o que o movimento islamista nega

Israel libertou dezenas de presos palestinos, incluindo o diretor do hospital Al Shifa da Cidade de Gaza, detido em novembro, e transferiu o grupo para centros médicos no território. Israel “libertou dezenas de detentos da Faixa de Gaza, incluindo o doutor Mohamed Abu Salmiya”, através de uma passagem de fronteira ao leste de Khan Yunis, informou uma fonte médica do Hospital dos Mártires de Al Aqsa, na cidade de Deir el Balah, no centro do território.

Cinco palestinos liberados foram internados neste centro médico e os demais foram transferidos para hospitais de Khan Yunis, segundo a mesma fonte. O ministro israelense da Segurança Nacional, Ben Gvir, confirmou a medida nas redes sociais. O Exército afirmou que estava “verificando as informações”.

Após a libertação, Salmiya afirmou que foi submetido a “graves torturas” durante sua detenção e que sofreu uma fratura em um polegar. “Os prisioneiros são submetidos a todo tipo de tortura”, declarou o médico em uma entrevista coletiva. “Muitos presos morreram em centros de interrogatório e foram privados de alimentos e remédios”.

“Durante dois meses, os detentos só comeram um pedaço de pão por dia”, disse, antes de mencionar que eles foram submetidos a “humilhações físicas e psicológicas”. O médico, preso em outubro, afirmou que foi detido “sem ter sido acusado”.

Israel acusa o Hamas, no poder em Gaza desde 2007, de utilizar os hospitais com fins militares, o que o movimento islamista nega. O hospital europeu de Khan Yunis anunciou que o diretor do departamento ortopédico, o doutor Basam Miqdad, também foi liberado nesta segunda-feira, “após sua detenção há vários meses”.

A reportagem observou vários homens abraçando seus parentes no Hospital dos Mártires de Al Aqsa. “A libertação do diretor do centro médico Shifa em Gaza, com dezenas de outros terroristas, é uma renúncia à segurança”, escreveu o ministro israelense da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, na rede social X. (AFP) 

 

próximo artigoDengue: Brasil tem, em 6 meses, 6,1 milhões de casos e 4,2 mil mortes
Artigo seguinteExtrema direita vence primeiro turno das eleições na França
0 0 votes
Classificação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários