Governo dos EUA move contra o Google maior ação antitruste em 20 anos

É preciso parar com conduta anticompetitiva da empresa, diz processo

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos e 11 estados norte-americanos entraram nesta terça-feira (20) com uma ação antitruste contra o Google, acusando a companhia de usar seu poder de mercado para afastar rivais.

O processo marca o maior caso antitruste em uma geração, comparável ao processo contra a Microsoft movido em 1998, e ao processo contra a AT&T, de 1974, que levou à dissolução do Sistema Bell.

Na ação, alega-se que o Google agiu ilegalmente para manter sua posição nos mercados de busca e publicidade na internet e que, “na ausência de uma ordem judicial, a empresa continuará executando sua estratégia anticompetitiva, prejudicando o processo competitivo, reduzindo a escolha do consumidor e sufocando a inovação”.

“O Google é agora a porta de entrada incontestável para a internet a bilhões de usuários em todo o mundo. Para o bem dos consumidores, anunciantes e todas as empresas norte-americanas que agora dependem da economia da internet, chegou a hora de parar a conduta anticompetitiva do Google e restaurar a concorrência”, diz a ação.

Quando questionado em uma teleconferência sobre a ação específica a ser tomada, um funcionário do Departamento de Justiça disse: “Nada está fora de questão”.

Representantes do Google não comentaram o assunto. A companhia teve receita de US$ 162 bilhões no ano passado, mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) de países como Hungria, Ucrânia e Marrocos.

O senador republicano Josh Hawley, um crítico feroz do Google, acusou a empresa de manter o poder por “meios ilegais” e chamou o processo de “o caso antitruste mais importante em uma geração”.

O processo da Microsoft recebeu o crédito por abrir caminho para o crescimento explosivo da internet, uma vez que a ação impediu a empresa de tentar enfraquecer concorrentes.

O processo federal desta terça-feira marca um raro momento de acordo entre o governo Trump e os democratas progressistas. A senadora Elizabeth Warren tuitou, em 10 de setembro, usando a hashtag #BreakUpBigTech, que ela queria “ação rápida e agressiva”.

Ocorrendo poucos dias antes da eleição presidencial dos Estados Unidos, o momento do processo pode ser visto como um gesto político, pois cumpre uma promessa feita pelo presidente Donald Trump a seus apoiadores de responsabilizar empresas por supostamente sufocarem vozes conservadoras.

As ações da Alphabet, controladora do Google, subiram quase 1% após a notícia.

Segundo o chefe de Pesquisa de Mídia de Tecnologia e Telecomunicações da Mirabaud Securities em Londres, Neil Campling, há alguma dúvida nos mercados se os parlamentares de Washington podem realmente se unir para entrar com uma ação contra a empresa. “É como trancar a porteira depois que o cavalo fugiu. O Google já assumiu a posição de monopólio, investiu bilhões em infraestrutura, inteligência artificial (IA), tecnologias, software, engenharia e talento. Você não pode simplesmente desfazer uma década de progresso significativo.”

Os 11 estados que aderiram à ação têm procuradores-gerais republicanos.

Pode haver mais ações judiciais em andamento, uma vez que existem investigações feitas por procuradores-gerais estaduais, além de uma investigação sobre os negócios mais amplos de publicidade digital da empresa. Um grupo de procuradores-gerais liderados pelo Texas deve abrir, em novembro, um processo separado, focado em publicidade digital, enquanto um grupo liderado pelo Colorado planeja uma investigação mais ampla contra o Google.

O processo do Departamento de Justiça ocorre mais de um ano depois que o órgão e a Comissão Federal de Comércio (FTC)  iniciaram investigações antitruste sobre Amazon.com, Apple, Facebook e Google.

Sete anos atrás, a FTC fechou acordo com a empresa em uma investigação antitruste que acusava o Google de favorecer seus próprios produtos em resultados de buscas dos usuários. O acordo foi contestado por alguns advogados da equipe da FTC.

O Google tem enfrentado desafios legais semelhantes no exterior. A União Europeia multou a companhia em US$ 1,7 bilhão em 2019 por impedir que sites usassem serviços rivais para encontrar anunciantes; em US$ 2,6 bilhões em 2017 por favorecer seu próprio produto de shopping em resultados de pesquisas; e em US$ 4,9 bilhões em 2018, por bloquear rivais em seu sistema operacional Android.

próximo artigoFrança fecha mesquita em Paris após decapitação de professor
Artigo seguinteNos próximos três meses, Galo joga uma vez por semana; Inter e Flamengo seguem na maratona