Cinco eleições em quatro anos em Israel

Principais etapas da crise política de Israel, após a vitória da coalizão de direita de Benjamin Netanyahu, 73 anos, nas quintas eleições legislativas realizadas no país nos últimos quatro anos.

– Parlamento sem maioria –

Em 9 de abril de 2019, os israelenses votam em eleições parlamentares antecipadas nas quais Netanyahu, no poder desde 2009 e sob ameaça de acusações de corrupção, espera permanecer como primeiro-ministro.

Ele se opõe a Benny Gantz, ex-chefe de gabinete, que lidera a nova aliança centrista Kahol-Lavan (Azul e Branco).

O Likud de Netanyahu (à direita) e o Azul e Branco ganham 35 assentos cada.

No final de maio, diante da impossibilidade de formar uma coalizão, o Knesset (Parlamento) vota pela sua dissolução e a realização de novas eleições.

– Netanyahu inculpado –

Nas eleições de 17 de setembro de 2019, Likud e Azul e Branco aparecem novamente empatados.

Em 21 de novembro, o procurador-geral acusa Netanyahu de corrupção, fraude e quebra de confiança em três casos.

Em 11 de dezembro, após o fracasso de Gantz e Netanyahu em formar um governo, os deputados novamente votam pela dissolução do Parlamento.

– Novo fracasso –

Em 2 de março de 2020, o Likud obtém 36 assentos e o Azul e Branco 33.

No entanto, no dia 16, o presidente Reuven Rivlin pede a Gantz que forme um governo porque obteve mais apoio dos outros partidos.

Mas, não conseguindo reunir a maioria necessária de 61 deputados para formar um gabinete, Gantz anuncia um “governo de unidade e emergência” com seu rival Netanyahu para lidar com a pandemia de coronavírus.

Seu pacto de três anos prevê uma rotatividade, segundo a qual Netanyahu deixará o cargo de primeiro-ministro a Gantz após 18 meses.

Em 7 de maio, Rivlin confia a Netanyahu a tarefa de formar o governo de unidade, aprovado pelo Parlamento em 17 de maio.

Mas o novo governo fracassa em sua tentativa de aprovar os orçamentos e, em 23 de dezembro, o Parlamento se dissolve novamente.

– Quarta eleição –

Em 23 de março de 2021, o Likud vence novamente as eleições, seguido desta vez pela formação Yesh Atid do centrista Yair Lapid, com 17 assentos.

Mas quando o prazo de 5 de maio chega, Netanyahu falha em sua tentativa de formar um governo. Rivlin então confia a missão a Lapid.

– Bennett primeiro-ministro –

Em 30 de maio, o líder do partido radical de direita Yamina, Naftali Bennett, anuncia sua intenção de se juntar ao campo de Lapid, que consegue formar uma coalizão heterogênea sem precedentes com a direita, a esquerda e uma formação árabe.

Em 13 de junho, Netanyahu, com mais de 15 anos como primeiro-ministro, os últimos 12 ininterruptos, perde o poder após uma moção de censura aprovada pela nova coalizão.

De acordo com um acordo de rotatividade na chefia do governo, Naftali Bennett se torna primeiro-ministro e Yair assume como ministro das Relações Exteriores.

Em 4 de novembro, o Parlamento adota o orçamento para 2021, o primeiro votado em três anos. No dia seguinte, o de 2022 é adotado, uma vitória-chave para a coalizão.

– Coalizão desmorona –

Em 6 de abril de 2022, a coalizão, diante de tensões internas, perde a maioria com a saída de um deputado do partido de Bennett.

Em 20 de junho, Bennett e Lapid anunciam a dissolução do Parlamento.

Yair Lapid ocupa o cargo de primeiro-ministro até a eleição marcada para 1º de novembro. Naftali Bennett anuncia que não aparecerá.

– Quinta eleição –

Nessas novas eleições, Netanyahu e seus aliados religiosos e de extrema direita conquistam 64 assentos, contra 51 da coalizão de Lapid.

O presidente de Israel, Isaac Herzog, deve agora encarregar o veterano líder de formar um governo, dentro de 42 dias.

O gabinete que está surgindo é o mais direitista da história de Israel, segundo analistas.

próximo artigoVacinas devem ser administradas durante a gestação; saiba quais são os imunizantes
Artigo seguinteNutricionista apresenta opções de como não deixar de consumir frutas em período de aumento