Luiz Felipe Scolari, técnico do Atlético — Foto: Pedro Souza/Atlético

Dono de um dos currículos mais vitoriosos do futebol brasileiro, o técnico do Atlético, Luiz Felipe Scolari, tentará ampliar um recorde neste ano e se manter como o treinador que mais conquistou a Copa do Brasil. Até agora, são quatro canecos na galeria do comandante alvinegro.

A princípio, Felipão teria dois concorrentes que poderiam igualá-lo em 2024, mas um deles ‘saiu do jogo’. Dorival Júnior, com três títulos (2010, 2022 e 2023), deixou o São Paulo para comandar a seleção brasileira. O outro postulante é Mano Menezes, do Corinthians (2009, 2017 e 2018).

Além deles, apenas outros dois técnicos faturaram a competição em mais de uma oportunidade: Renato Gaúcho (2007 e 2016) e Levir Culpi (1996 e 2014). Levir, inclusive, era o comandante na primeira vez que o Atlético venceu a Copa do Brasil, em 2014.

Já o tetra de Felipão começou com o torneio sendo conquistado pela primeira vez por um clube de menor expressão: o Criciúma, em 1991, superando o Grêmio na decisão. Três anos depois, Scolari voltaria a erguer a taça justamente pelo tricolor gaúcho, levando melhor sobre o Ceará.

Depois, o técnico abocanhou a Copa do Brasil duas vezes com o Palmeiras. A primeira em 1998, deixando o Cruzeiro com o vice; e a segunda em 2012, ao bater o Coritiba na fase derradeira.

A tentativa de Felipão de chegar ao penta tem como aliado o fato de o Atlético ter um dos melhores elencos do país. O alvinegro é considerado um dos favoritos em todas as competições que disputará neste ano, e o treinador, um especialista em torneios mata-mata.

Técnicos campeões da Copa do Brasil

1989: Cláudio Duarte (Grêmio)
1990: Jair Pereira (Flamengo)
1991: Felipão (Criciúma)
1992: Antônio Lopes (Internacional)
1993: Pinheiro (Cruzeiro)
1994: Felipão (Grêmio)
1995: Eduardo Amorim (Corinthians)
1996: Levir Culpi (Cruzeiro)
1997: Evaristo de Macedo (Grêmio)
1998: Felipão (Palmeiras)
1999: Valmir Louruz (Juventude)
2000: Marco Aurélio (Cruzeiro)
2001: Tite (Grêmio)
2002: Parreira (Corinthians)
2003: Vanderlei Luxemburgo (Cruzeiro)
2004: Péricles Chamusca (Santo André)
2005: Vagner Mancini (Paulista)
2006: Ney Franco (Flamengo)
2007: Renato Gaúcho (Fluminense)
2008: Nelsinho Baptista (Carreira)
2009: Mano Menezes (Corinthians)
2010: Dorival Jr. (Santos)
2011: Ricardo Gomes (Vasco)
2012: Felipão (Palmeiras)
2013: Jayme de Almeida (Flamengo)
2014: Levir Culpi (Atlético)
2015: Marcelo Oliveira (Palmeiras)
2016: Renato Gaúcho (Grêmio)
2017: Mano Menezes (Cruzeiro)
2018: Mano Menezes (Cruzeiro)
2019: Tiago Nunes (Athletico-PR)
2020: Abel Ferreira (Palmeiras)
2021: Cuca (Atlético)
2022: Dorival Jr. (Flamengo)
2023: Dorival Jr. (São Paulo)

próximo artigoRaio X: veja como está o elenco do Cruzeiro, por posição, e quem pode sair
Artigo seguinteAmérica encara o Comercial de Tietê, em duelo que vale a vida na Copinha 2024