Muito prejudicado pela arbitragem, Cruzeiro empata com o Vitória

Apesar de contar com uma escalação completamente diferente em relação ao jogo anterior, na vitória por 1 x 0 sobre o Santos, na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil, o Cruzeiro foi superior ao adversário, mas acabou mais uma vez sendo bastante prejudicado pela arbitragem e empatou em 1 x 1 com o Vitória, na tarde deste domingo, no Barradão, em Salvador, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os erros da arbitragem, que vêm acontecendo sistematicamente com a Raposa nesta temporada, foram decisivos para o resultado, já que Eduardo de Aquino Valadão marcou pênalti inexistente no lance que resultou no gol da equipe da casa e, no instantes finais da partida, anulou gol legítimo do zagueiro celeste Manoel.

O time cinco estrelas volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h45, contra o Flamengo, no Maracanã, no primeiro confronto pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América.

O jogo

Mesmo com uma equipe sem entrosamento ideal por ter sido a primeira vez que jogou com essa escalação, a Raposa foi superior à equipe da casa. No primeiro tempo, o Vitória só deu trabalho ao goleiro Rafael em um lance em que o goleiro celeste saiu nos pés do atacante Walter Bou e fez importante defesa.

Já o Cruzeiro teve muita força ofensiva, mas não conseguiu abrir o marcador. David quase marcou, em chute de fora da área, mas a bola saiu à direita do goleiro Ronaldo, que pouco tempo depois defendeu um chute colocado de Mancuello.

Rafael Sobis tentou duas vezes, a primeira delas acertou a trave e a outra foi defendida por Ronaldo. Bruno Silva também poderia ter inaugurado o placar, após rebote do goleiro em falta cobrada por Mancuello, mas o zagueiro Aderllan se jogou na bola e conseguiu evitar o gol do Cruzeiro.

Empate

O jogo, que já era bom no primeiro tempo, ficou ainda melhor na etapa final, com as duas equipes em busca do gol. O Cruzeiro por muito pouco não marcou logo aos 9 minutos, em mais um chute de Rafael Sobis que acertou a trave.

A equipe da casa se mandou para o ataque, também carimbou a trave, com Neilton, e teve outras oportunidades para fazer o gol, mas não fez por causa de duas defesas precisas de Rafael, em chutes de Yago e Walter Bou.

Mas, aos 25, Eduardo Tomaz de Aquino Valadão marcou pênalti de Murilo em Neilton, em lance fora da área. O mesmo Neilton cobrou a penalidade e marcou, sem chance alguma para Rafael.

O Cruzeiro não se abateu com o gol e empatou aos 30 minutos, em um cabeceio do zagueiro Manoel, após cobrança de falta de De Arrascaeta.

Nos instantes finais, as duas equipes criaram situações para vencer o jogo, o Vitória em um chute de Wallyson, no ângulo, que Rafael fez excelente defesa e o Cruzeiro em um cabeceio certeiro de Manoel para o fundo do gol, após escanteio cobrado por De Arrascaeta. O zagueiro cinco estrelas comemorou o gol da virada, mas o árbitro anulou erroneamente a jogada e marcou falta inexistente de Manoel em Aderllan.

A história de Cabral

Contratado pelo Cruzeiro exatamente há três anos, no dia 5 de agosto de 2015, o argentino Ariel Cabral segue fazendo história no maior, mais importante, vitorioso e popular clube de futebol de Minas Gerais.

O ex-atleta do Velez Sarsfield, com a atuação neste domingo, no empate com o Vitória, em Salvador, chegou à marca de 127 partidas disputadas pelo Cruzeiro e se igualou ao também argentino Sorín na quarta posição dos jogadores que mais vezes atuaram pela Raposa.

Estrangeiros que mais jogaram pelo Cruzeiro:
1. De Arrascaeta (Uruguai) – meia – 172 jogos / 45 gols (2015 a 2018)
2. Perfumo (Argentina) – zagueiro – 141 jogos / 6 gols (1971 a 1974)
3. Maldonado (Chile) – volante – 137 jogos / 4 gols (2003 a 2005)
4. Ariel Cabral (Argentina) – volante – 127 jogos / 4 gols (2015 a 2018)
4. Sorín (Argentina) – lateral-esquerdo – 127 jogos / 18 gols (2000 a 2002; 2004; 2009)
6. Carazo (Espanha) – meia – 123 jogos / 44 gols (1927 a 1931; 1936 a 1937; 1940 a 1942)
7. Montillo (Argentina) – meia – 122 jogos / 36 gols (2010 a 2012)
8. Lucas Romero (Argentina) – volante – 109 jogos / 3 gols (2016 e 2018)
9. Marcelo Moreno (Bolívia) – atacante – 93 jogos / 45 gols (2007 e 2008; 2014)
10. Bernard (França) – goleiro – 81 jogos / 124 gols (1951 a 1954)

Palavras do comandante

O técnico do Cruzeiro Mano Menezes elogiou o desempenho da Raposa, que mereceu vencer a partida, mas criticou bastante a arbitragem por ter, mais uma vez, tirado pontos importantes do tetracampeão brasileiro.

“O Cruzeiro fez um bom jogo pela circunstância. Um time bastante mexido como nós fizemos a opção de trazer para o jogo. Enfrentou o Vitória como se enfrenta para ganhar, teve personalidade e jogo para ganhar. A gente sabia que era um jogo difícil, mas a arbitragem o tornou impossível”, disse ele.

“De novo o Cruzeiro faz um gol legal e a arbitragem anula. Desde que voltamos da Copa do Mundo, já deve ser o quarto ou o quinto gol legal que a gente faz. Ou tem uma coisinha que acha que é impedimento ou tem uma coisinha que acha que puxou. Mas para os nossos adversários o pessoal não acha nada. Nós fizemos os gols para ganhar o jogo e isso me deixa triste. A gente está fazendo o certo e só tem que, quando merecer, deixar a gente vencer”, completou.

VITÓRIA 1 X 1 CRUZEIRO
Motivo: 17º rodada Campeonato Brasileiro
Data: 05/08/2018 (domingo)
Local: Barradão, em Salvador-BA
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão-GO (CBF-AB)
Gols: Neilton, aos 26 min., e Manoel, aos 30 min. do 2º tempo
Vitória: Ronaldo; Jeferson, Aderllan, Ruan Renato e Bryan; Marcelo Meli (Erick), Fillipe Soutto, Arouca, Neilton (Wallyson) e Yago (Lucas Fernandes); Walter Bou
Técnico: João Burse
Cruzeiro: Rafael; Ezequiel, Murilo, Manoel e Marcelo Hermes; Bruno Silva (Rafinha), Lucas Romero, Ariel Cabral e Mancuello; Rafael Sobis (De Arrascaeta) e David (Raniel)
Técnico: Mano Menezes
Cartões amarelos: David, Murilo, Bruno Silva, Marcelo Hermes e De Arrascaeta (Cruzeiro); Marcelo Meli, Arouca e Erick (Vitória)