Justiça determina apreensão de R$ 5,2 milhões que estariam na casa de ex-presidente do Cruzeiro

A briga judicial envolvendo o Cruzeiro e o seu ex-vice-presidente, Wagner Pires de Sá, ganhou mais um capítulo importante. (15). A juiza da 35ª Vara Cível de Belo Horizonte, Marcela Maria Pereira Amaral Novais, determinou nesta terça-feira que um oficial de justiça se digirisse à residência do ex-cartola para garantir o cumprimento de tutela cautelar antecedente, e, assim, apreender R$ 5,2 milhões que estariam na casa de Pires de Sá.

“Na sequência, o autor, após ciência do resultado infrutífero da consulta BACENJUD, pugnou pela expedição de mandado para o endereço residencial do requerido Wagner Pires, com o fito de apreender a quantia de R$5.200.000,00, que, segundo noticiado nos meios de comunicação, o próprio teria declarado junto à Receita Federal estar em seu poder”, diz parte de decisão judicial proferida nas primeiras horas desta terça.

Dinheiro em casa

Em declaração de Imposto de Renda feita em 2019, Wagner Pires de Sá informou à Receita Federal que guardava, em espécie, R$ 5,2 milhões em sua residência. Tal informação foi divulgada no dia 22 de agosto pelos portais Superesportes e Deus me Dibre, fato que motivou tal diligência judicial na casa do ex-dirigente.

Ainda no documento enviado à Receita Federal o ex-presidente celeste declarou ser proprietário de mansão em bairro nobre de Belo Horizonte, imóel avaliado em R$ 1,8 milhão, ter cinco carros e uma moto que, juntos, somam R$ 400 mil. Na mesma declaração, Wagner informa que possui empréstimos a familiares na casa de R$ 1 milhão. No total a declaração ultrapassou R$ 9 milhões.

Arresto cautelar

Essa decisão é um novo capítulo da discussão jurídica que envolve arresto cautelar solicitado pelo Cruzeiro à Justiça, que tenta bloquear nas contas dos ex-dirigentes, tanto Wagner Pires de Sá quanto Itair Machado, R$ 6,8 milhões.

A empresa Futgestão Assessoria e Consultoria Esportiva Ltda, inscrita em nome de Itair Machado e da esposa do ex-vice de futebol, também é citada no processo.

A quantia de quase R$ 7 milhões já foi alvo de varreduras da Justiça, porém as buscas não tiveram sucesso, como cita a nova peça da juíza Marcela Maria Pereira Amaral Novais.

“Em cumprimento à ordem emanada da Instância Superior, foi determinado o arresto de valores em contas mantidas pelos réus e posterior depósito judicial da quantia, até o montante de R$ 6.861.243,06 (seis milhões, oitocentos e sessenta e um mil, duzentos e quarenta e três reais e seis centavos), conforme id. 341396833; contudo, a diligência restou frustrada, ante a ausência de valores disponíveis em conta”.

A decisão da 35ª Vara Cível de Belo Horizonte determina que a apreensão de possíveis valores que possam estar na posse de Wagner Pires de Sá em sua residência não ultrapasse o valor determinado judicialmente. “Expeça-se o mandado visando ao arresto de valores em espécie que eventualmente estejam em poder do requerido Wagner Pires, até o limite de R$6.861.243,06”, diz parte da decisão da juíza que está à frente do processo.

A reportagem tentou falar com o ex-presidente do Cruzeiro para que ele pudesse esclarecer mais essa decisão desfavorável na Justiça. Entretanto, ele não atendeu aos contatos telefônicos.