Jogadores do Atlético durante pré-temporada na Cidade do Galo — Foto: Pedro Souza/Atlético

O Atlético inicia o Campeonato Mineiro nesta quarta-feira (24/1), às 21h30, contra o Patrocinense, em Patrocínio, apontado novamente como favorito ao título. Com o maior investimento do futebol estadual, o alvinegro tenta repetir um feito alcançado pela última vez em 1982 por um clube de Minas: tornar-se pentacampeão.

A última sequência de cinco troféus para o mesmo time no Mineiro foi conquistada pelo próprio Galo, entre 1978 e 1982. À ocasião, o Atlético ainda emendou um sexto caneco, em 1983. Soberano em Minas nas últimas temporadas, o alvinegro tenta repetir o feito e chegar à 49ª taça estadual. Para isso, conta com um elenco recheado de estrelas.

O clube manteve todos os titulares de 2023 e perdeu apenas dois reservas: o zagueiro Réver, que se aposentou, e o meia Hyoran, que não teve o contrato renovado. A comissão técnica também permanece, sob o comando de Luiz Felipe Scolari. Será a primeira vez também que o Galo vai disputar o torneio estadual em seu novo estádio, a Arena MRV.

Para reforçar o time, o Atlético contratou o meia Gustavo Scarpa, eleito craque do Campeonato Brasileiro de 2022 e que pertencia ao Nottingham Forest, da Inglaterra, mas estava emprestado ao Olympiacos, da Grécia. O jogador chega como uma das principais contratações entre clubes brasileiros neste início de ano.

O Galo segue no mercado, em busca de atacantes, com a ideia de contar com uma opção para as pontas, já que o elenco carece de um jogador com esse perfil. Outra característica procurada nesse atleta é que seja jovem, com potencial de revenda.

Neste início de temporada, a tendência é que Felipão mantenha a base do time que terminou o ano de 2023. A zaga tem a disputa mais acirrada, entre Jemerson, Igor Rabello, Mauricio Lemos e Bruno Fuchs; o meio-campo deve ter apenas a entrada de Gustavo Scarpa; e o ataque tem garantidas as presenças de Hulk e Paulinho.

Quando usar todos os titulares, o treinador deve escalar a equipe com Everson; Saravia (Mariano), Jemerson (Bruno Fuchs), Mauricio Lemos (Igor Rabello) e Guilherme Arana; Otávio, Battaglia, Zaracho e Gustavo Scarpa; Hulk e Paulinho.

próximo artigoCruzeiro tenta quebrar jejum que já dura desde 2019
Artigo seguinte“É preciso procurar ajuda”, diz especialista sobre superendividamento