“Estou nos meus 80%”, diz Calderano, 4º melhor mesatenista do mundo

Desde 2016, o Hugo Calderano trilha uma jornada pioneira no tênis de mesa. Aos 25 anos, o carioca se acostumou a quebrar barreiras no tênis de mesa brasileiro e latino-americano, outrora dominado por alguém com o mesmo nome: Hugo Hoyama. Após a Olimpíada Rio 2016, em que fez a melhor campanha de um atleta do Brasil na história da modalidade – parou nas oitavas de final (resultado já superado por ele próprio) – Calderano alcançou a melhor posição de um atleta da América Latina no ranking mundial: o 31º lugar. Atual número 4 do mundo, após ter figurado em terceiro no ranking, Calderano não faz ideia de até onde pode chegar. 

Medalhista em 2014, nos Jogos Olímpicos da Juventude de Nanjing (China), quando tinha 18 anos, Calderano segue em busca de mais feitos inéditos para o Brasil. Um pódio mundial ou olímpico. Nos Jogos de Tóquio, em julho do ano passado, ele viveu dois momentos opostos: Ao chegar às quartas, automaticamente garantiu um novo melhor resultado para si e para o país. Porém, passou pela decepção de sofrer a virada para o alemão Dimitrij Ovtcharov, depois de vencer os dois primeiros sets. À época, a derrota o deixou muito emocionado, pela forma como aconteceu. Hoje, ele reconhece a importância de superar traumas passados e conquistar algo ainda maior na esfera individual e coletiva.

A noção exata da relação de responsabilidade e representatividade que tem para o esporte nacional – é um dos brasileiros mais bem posicionados em rankings individuais de modalidades olímpicas – foi cultivada à distância. Hugo esteve recentemente no Rio para um período de treinos com a seleção e um desafio amistoso contra atletas da França. Antes disso, não competia na terra natal desde dezembro de 2018. Ao mesmo tempo em que se tornou um fluente falante do idioma alemão, ele se habituou a sentir falta das coisas mais básicas do Brasil: a família, o clima e a comida. Mas ele passou a aproveitar as rápidas estadias em casa como uma recarga de bateria.

Para se manter são e focar em se aperfeiçoar no tênis de mesa, Hugo – que no momento está sem clube depois de deixar o Orenburg (Rússia), no meio de 2021 – precisou exercitar equilíbrio e concentração, trunfos que aprendeu com duas personalidades europeias: o técnico francês Jean René Mounie, que o acompanha no velho continente, e um de seus ídolos, o tenista espanhol Rafael Nadal.

A virada de Nadal na final do Aberto da Austrália deste ano- o espanhol reverteu uma desvantagem de 2 sets a 0 na final contra o russo Daniil Medvedev para conquistar o título – é um dos exemplos que inspira Calderano a seguir enfileirando conquistas inéditas.

Fonte: Agência Brasil

próximo artigoPara conter inflação, governo zera imposto de importação de alimentos
Artigo seguinteSTF começa a decidir sobre licença de 180 dias para servidor pai solo