Em transmissão ao vivo na noite desta segunda-feira (23/1), o dono da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) do Cruzeiro, Ronaldo Nazário, efetuou fortes declarações a respeito da relação do clube com a Minas Arena, consórcio que administra o Mineirão. Entre as afirmações, a mais impactante: a Raposa não jogará como mandante no estádio em todo o ano de 2023.

“Nós damos a nossa relação com a Minas Arena rompida. Não haverá nenhum jogo nosso no Mineirão neste ano. É um problema grande que o governo do estado precisará resolver. A população e o torcedor do Cruzeiro têm o Mineirão como a sua casa. Só que um contrato mal feito de antes da Copa de 2014 fez o governo ficar refém”, disse em seu canal na Twitch.

Já estava previsto que, pelo menos, as partidas da fase classificatória do Campeonato Mineiro seriam na Arena Independência, como a próxima, neste sábado (28), às 10h30, diante do Athletic — Ronaldo estará presente. Conforme Fenômeno, isso se estenderá para os demais confrontos, incluindo os da Série A do Campeonato Brasileiro.

“Neste ano, iremos atuar em todos os jogos como mandante no Independência. Temos um acordo com o América. Será um ano difícil. Pedimos a compreensão do nosso torcedor. Logicamente o Independência é menor e cabe menos gente, mas as condições foram muito melhores”, contou.

Ainda segundo o gestor, desde que assumiu o controle do futebol, em dezembro de 2021, os contatos com o Mineirão se deram através de sua diretoria. Porém, a sua vontade era ter tomado essa atitude ainda no ano passado.

“A minha vontade era de ter rompido com o Mineirão no ano passado, quando começou a nossa gestão. Porque as condições sempre foram horríveis para o Cruzeiro. A Minas Arena possui um contrato com o governo estadual muito confortável, onde eles têm todas as armas na mão para efetuarem negociações boas para eles, e numa boa para a gente”, explicou.

próximo artigoAlemanha incentiva aliados a treinar ucranianos no uso de tanques Leopard
Artigo seguinteDia da Visibilidade Trans: “Somente com a educação transformamos e incluímos vidas”