Antiga Lecupon se transformou em Alloyal em fevereiro e agora aposta em mercado que movimentou R$ 9,5 bilhões no Brasil em 2022

Uma das grandes febres da década passada, os sites que ofereciam cupons de desconto foram, pouco a pouco, desaparecendo da vista dos consumidores. O Peixe Urbano, talvez o mais conhecido, simplesmente saiu do ar e acumula reclamações de usuários. Já a startup mineira Lecupon, fundada há sete anos, teve um destino bem mais feliz: realizou um reposicionamento de marca e, desde fevereiro, se chama Alloyal. Hoje, a plataforma fatura mais de R$ 1 milhão por mês no mercado de fidelização – um aumento de 150% em relação a seu faturamento em 2022.

O “pulo do gato” para se reinventar e sobreviver no mercado foi deixar de oferecer apenas cupons de descontos e passar a ofertar também experiências e benefícios mais personalizados. Cashback para os clientes sacarem via pix e promoção de sorteios são alguns exemplos de estratégias de fidelização utilizadas pelas empresas clientes da Alloyal.

“Fizemos um movimento importante ao mudar o modelo de negócios de B2C para B2B. Enxergamos que as empresas estavam cada vez mais focadas em manter seus clientes, ao mesmo tempo em que o consumidor está buscando mais experiência. Estima-se que 68 milhões de pessoas no Brasil utilizam programas de fidelidade e 85% dos consumidores priorizam empresas que adotem esse tipo de programa”, afirma o CEO Aluísio Cirino.

Assim, com a mudança de rota, a empresa entrou no universo das “loyalty techs” – plataformas de gestão de programas de fidelidade, que fazem a conexão entre as empresas que oferecem pacotes a seus clientes, aquelas que são as parceiras na oferta dos benefícios e vantagens e os consumidores propriamente ditos.

“Só no Brasil, o mercado de fidelização movimentou R$ 9,5 bilhões em 2022. No mundo, o segmento cresceu 17% ao ano desde 2022 e deve chegar a US$ 25,8 bilhões em 2028, segundo estudo da consultoria internacional Research and Markets. Também estamos percebendo esse crescimento na empresa. Em 2023, tivemos R$ 100 milhões movimentados pelas compras dos usuários finais, o dobro em relação a 2022. No último trimestre, consolidado em fevereiro, as receitas já somam R$ 70 milhões”, conta.

De acordo com ele, se bem executados, os programas de fidelidade podem aumentar as compras recorrentes, diferenciar as marcas da concorrência e fazer com que elas parem de perder clientes. “Ao estabelecer um vínculo mais próximo com o consumidor, o programa de fidelidade se destaca como uma estratégia poderosa de marketing de relacionamento.”

Um dos clientes atendidos pela startup foi a Ordem dos Advogados do Brasil de Minas Gerais (OAB-MG). O valor da anuidade paga pelos advogados para manterem seus registros era uma questão para muitos dos associados e a entidade procurou a Alloyal para criar um programa chamado “Anuidade Zero”.

“Por meio deste plano, os gastos do dia a dia dos advogados é convertido em abatimento para a anuidade. A intenção era oferecer um catálogo de empresas, produtos e serviços para os advogados que oferecesse cashback por meio de um aplicativo. Este cashback é revertido como pagamento para a anuidade e, desta forma, os consumos diários geram economia da taxa”, explica Aluísio.

Para alcançar melhores resultados, as plataformas especializadas em fidelidade também usam tecnologias como automação, aprendizado da máquina, algoritmos e inteligência artificial para oferecer a cada consumidor benefícios e vantagens mais adequados a seu perfil.

“As ferramentas são customizáveis, para construir vínculos de lealdade de ponta a ponta. São as empresas que entendem mais dos seus clientes e podem catalisar o alcance e a relevância dos programas”, finaliza o CEO.

próximo artigo‘Taxa das blusinhas’: veja a linha do tempo da discussão sobre imposto para compras internacionais
Artigo seguinteBrasil não vai comprar arroz com agrotóxicos proibidos, diz governo federal
0 0 votes
Classificação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários