Na Bolsa, investidor aproveita agenda fraca de indicadores para embolsar lucros

    A Bolsa brasileira tenta dar uma pausa nesta quinta-feira, 4, com investidores sugerindo que querem aproveitar o dia para realizar lucros, como já está acontecendo com a maioria das bolsas internacionais, após os ganhos recentes. Porém, tanto no Brasil quanto em Nova York, o movimento não é firme. Às 10h56, por exemplo, o Nasdaq subia 0,24%, enquanto os demais índices cediam.

    O Ibovespa caía 0,22%, aos 92.799,85 pontos, depois de um sobe-e-desce danado e de alcançar mínima de 92.220,80 pontos e máxima aos 93.191,19 pontos. Até o momento, o Ibovespa acumula alta de 6,12% só nos primeiros dias de junho.

    Enquanto a agenda de indicadores interna está esvaziada e os dois dados esperados nos EUA já foram informados, a grande espera do mercado é pelo índice oficial de emprego norte-americano, que será informado amanhã. A estimativa é de que o dado reforce um cenário menos deteriorado do setor após a fase de efeitos mais agudos por conta do isolamento social implementado no país para conter os impactos da pandemia do novo coronavírus.

    Apesar de os indicadores divulgados esta manhã nos EUA terem ficado piores que o esperado, conforme as estimativas, o estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus, pondera que os números não vieram tão ruins.

    A balança comercial dos EUA em abril teve superávit de US$ 49,41 bilhões, pouco aquém da previsão de analistas, que era de US$ 50 bilhões. Já os pedidos de auxílio-desemprego caíram 249 mil na semana, a 1,877 milhão, ante previsão de 1,8 milhão.