O Banco do Brasil foi reconhecido como o banco mais sustentável do planeta pelo ranking das 100 Corporações Mais Sustentáveis do Mundo 2023 – Global 100, da Corporate Knights. Além da posição de liderança entre os bancos, que mantém desde 2021, o BB também é a única empresa brasileira premiada, figurando na 15ª posição no ranking geral. A divulgação das companhias premiadas ocorreu nesta quarta-feira, 18, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Na última década, o Banco do Brasil foi listado em sete edições, sendo reconhecido como banco mais sustentável do mundo em 2019, 2021, 2022 e 2023.

Nesta edição, a Corporate Knights analisou mais de 7 mil empresas de capital aberto com receita bruta mínima de US$ 1 bilhão, em 25 indicadores econômicos, ambientais e sociais relacionados, por exemplo, à gestão financeira, de pessoal e de recursos, à receita obtida de produtos/serviços com benefícios sociais e/ou ambientais, e ao desempenho da cadeia de fornecedores. Fatores como o resultado financeiro, o volume da carteira de crédito sustentável, a compensação de emissões de carbono, o uso de energia limpa e as práticas de governança contribuíram para que o BB se mantivesse no ranking, em destaque.

Para Tarciana Medeiros, presidenta do Banco do Brasil, estar novamente no Global 100, como banco mais sustentável do mundo, e ser a única empresa brasileira presente no ranking é um reconhecimento do protagonismo do BB e da sua histórica atuação cuidadosa com os princípios ASG. “O reconhecimento é motivador e nos desafia a avançar em ações que mantenham a Empresa atualizada, inovadora e relevante. Vamos valorizar ainda mais a diversidade do nosso quadro de funcionários para enriquecer o debate de ideias, a proposição de soluções e a tomada de decisões que gerem impactos econômicos, sociais e ambientais positivos”, declara.

Sustentabilidade na prática

O BB tem uma longa trajetória no tema sustentabilidade. Já em 1985, instituiu a Fundação Banco do Brasil para reforçar sua contribuição com a transformação social dos brasileiros e com o desenvolvimento do país. Em 2005, lançou seu Plano de Sustentabilidade, hoje chamado Agenda 30 BB, que contribui para integrar os aspectos ASG nos negócios e nas práticas administrativas da empresa. O documento reflete as premissas da Agenda 2030 global, contribui para o atingimento de diversos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e atende ao chamado internacional para construção de um mundo direcionado por gestão adequada dos recursos naturais, respeito aos direitos humanos e geração de valor para os diversos públicos de relacionamento. Desdobra-se em dezenas de ações e contém mais de cem indicadores de curto e médio prazo.

Além da Agenda 30 BB, O BB direciona sua atuação em sustentabilidade por meio de dez compromissos para um futuro sustentável, relacionados ao fomento à energia renovável, incentivo à agricultura sustentável, fomento ao empreendedorismo, ampliação da eficiência dos estados e municípios, ampliação dos investimentos ASG, originação de títulos sustentáveis, aumento do cuidado ambiental, valorização da diversidade, ampliação da maturidade digital e contribuição à sociedade com a FBB. “Nosso Plano, com olhar até 2030, contém ações estruturadas, compromissos claros, metas arrojadas e indicadores sólidos de resultados para prosseguirmos fortes, assertivos e evoluindo nas três frentes da nossa estratégia de sustentabilidade: gestão ASG, negócios sustentáveis e investimento sustentável”, explica Tarciana.

Na frente de Negócios Sustentáveis, o Banco do Brasil tem se destacado pelo volume da sua carteira de crédito sustentável, que atingiu mais de R$ 320 bilhões de saldo, correspondente a cerca de 35% da carteira de crédito total classificada do Banco. Esse montante foi contratado em linhas de crédito com elevada adicionalidade ambiental e/ou social, ou para financiar atividades e/ou segmentos que tenham impactos sociais e ambientais positivos, como energias renováveis, eficiência energética, construção, transportes e turismo sustentáveis, água, pesca, silvicultura, agricultura sustentável, gestão de resíduos, educação, saúde e setores de desenvolvimento local e regional, o que reforça o papel transformador do Banco do Brasil no apoio ao desenvolvimento do país e à construção de um futuro cada vez mais sustentável para a sociedade.

próximo artigoUsiminas anuncia investimentos em Minas Gerais
Artigo seguinteConab diz que safra de café será de 54,94 milhões de sacas